PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Aumento do imposto nos financiamentos vale a partir desta quinta-feira

Do UOL, em São Paulo

21/01/2015 11h47Atualizada em 21/01/2015 11h50

O aumento do imposto sobre as operações de crédito começa a valer nesta quinta-feira (22). O reajuste foi anunciado na noite de segunda (19).

O governo federal publicou nesta quarta-feira (21), no Diário Oficial da União, o decreto que dobra o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) sobre as operações de crédito ao consumidor de até 365 dias. 

Segundo o texto, o aumento entra em vigor um dia após sua publicação, e não em 1º de fevereiro como tinha sido dito anteriormente.

Com isso, o IOF passa de 1,5% para 3% ao ano, alíquota que estava em vigor em 2011. Além disso, fica mantida a cobrança de 0,38% para cada operação, que existe desde o fim da CPMF (Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira).

A intenção do governo é conter o consumo e, consequentemente, tentar segurar a alta da inflação. Outro objetivo é melhorar a receita pública: o governo estima que essas alterações gerem R$ 20 bilhões adicionais em arrecadação.

Impacto será pequeno nas parcelas, diz associação

A alta do IOF terá impacto pequeno sobre o valor das parcelas, segundo simulações apresentadas pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

Exemplo 1: financiamento de geladeira

Veja uma simulação para a compra de uma geladeira no valor de R$ 1.500, em 12 vezes, com juros de 4,85%.

A prestação sobe de R$ 170,96 para R$ 173,48, elevando o valor total do financiamento de R$ 2.051 para R$ 2.081.

Exemplo 2: cheque especial

Outra simulação considera o uso de um limite de R$ 5.000 do cheque especial por 20 dias no mês, considerando uma taxa de juros 8,92% por mês.

A despesa sobe de R$ 350,58 para R$ 355,09.

Exemplo 3: empréstimo pessoal

Considere um empréstimo pessoal de R$ 4.000 por 12 meses, com taxa de 3,61% ao mês.

O valor total do financiamento sobe de R$ 5.093 para R$ 5.168, segundo a simulação feita pelo diretor da Anefac Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Se o caso for empréstimo de R$ 25 mil para compra de um automóvel, com taxa mensal de 1,84%, em 12 meses, cada prestação sobe em R$ 35,11, enquanto o custo total sobe em R$ 421,32.

(Com Reuters)