PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Inflação das famílias que ganham até 5 salários mínimos fecha 2015 em 11,3%

Do UOL, em São Paulo

08/01/2016 09h34Atualizada em 08/01/2016 12h08

A inflação para famílias com renda de um a cinco salários mínimos, medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), ficou em 0,9% em dezembro e fechou 2015 em 11,28%. O valor foi bem mais alto do que o verificado em 2014: 6,23%. Foi, ainda, a taxa mais elevada desde 2002 (14,74%). 

O que pesa mais no seu bolso neste início do ano?

Resultado parcial

Total de 2634 votos
33,68%
9,72%
6,30%
12,07%
10,86%
2,01%
14,62%
6,61%
4,14%
Total de 2634 votos

Valide seu voto

A alta de preços para as famílias de baixa renda foi também mais alta do que a inflação oficial, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que ficou em 10,67% no ano passado.

O que ficou mais caro em 2015 para essas famílias de menor renda foi a moradia (alta de 18,22%).

Em seguida, aparece alimentação e bebidas (12,36%), transportes (11,77%) e despesas pessoais, como manicure, cigarro e loteria, que subiram 10,44% no ano passado.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (8) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

O INPC abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

Alta maior em Curitiba

Dos locais pesquisados, a região metropolitana de Curitiba foi a que teve a inflação mais alta para as famílias que ganham até cinco salários mínimos: 13,81%. O principal motivo foi o reajuste de 50% nas alíquotas do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre vários itens. Ainda na capital paranaense, a alta da conta de luz chegou a 68,95%.

A inflação mais baixa foi o da região metropolitana de Vitória (9,50%), onde não ocorreu reajuste nas tarifas dos ônibus urbanos durante o ano passado.

Veja a inflação para a baixa renda em 2015 por região:

  • Curitiba: 13,81%
  • Goiânia: 12,19%
  • São Paulo: 12,02%
  • Rio de Janeiro: 11,86%
  • Porto Alegre: 11,74%
  • Brasília: 11,47%
  • Fortaleza: 11,45%
  • Campo Grande: 10,45%
  • Recife: 10,39%
  • Salvador: 9,96%
  • Belém: 9,86%
  • Belo Horizonte: 9,71%
  • Vitória: 9,50%
PUBLICIDADE