Brasil compra feijão de Argentina e China, mas 'carioca' é produto nacional

Ricardo Marchesan

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images

O preço do feijão virou assunto de destaque nos últimos dias e levou o governo federal a anunciar que vai importar mais produto de parceiros do Mercosul --Paraguai, Argentina e Bolívia--, além de China e México.

O Brasil já importa feijão: em torno de 100 mil toneladas por ano. A maior parte vem da Argentina e, nos últimos anos, também da China, de acordo com Alcido Elenor Wander, chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Arroz e Feijão.

  • 49532
  • true
  • http://economia.uol.com.br/enquetes/2016/06/24/o-preco-do-feijao-pesou-no-seu-bolso.js

O problema, segundo Wander, é que a variedade mais consumida no Brasil, o carioca ou carioquinha, não entra nessa cota de "importados". Os outros países não produzem esse tipo de feijão em larga escala.

"O carioca é um feijão tipicamente brasileiro. Criado, cultivado e consumido no Brasil. Não existe mercado para o produto fora do país", diz. "O que vamos importar não é carioca, é preto."

A tendência, então, é ter mais feijão preto no mercado. Com uma quantidade maior disponível, seu preço tende a cair. 

Já o carioca só deve ficar mais barato se houver uma queda no consumo, segundo Wander. Ou seja: se as pessoas passarem a comer feijão preto, que está mais barato, haverá menos procura pelo carioca e seu preço pode baixar. 

Carioquinha só entre agosto e setembro

Se o feijão carioca só é produzido em larga escala no Brasil, quando a produção nacional deve começar a se normalizar? Segundo o técnico da Embrapa, isso só deve começar a acontecer com a próxima safra, entre o final de agosto e começo de setembro.

O preço da leguminosa teve uma alta no país porque a produção nacional foi afetada pelas chuvas nos últimos anos. Com isso, há dois anos o Brasil tem produzido menos feijão do que consome. 

O feijão carioca, por exemplo, ficou 54,1% mais caro de janeiro até meados de junho, segundo a prévia da inflação, divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (21). Também ficaram mais caras outras variedades, como o mulatinho (+49,42%), o preto (+21,36%) e o fradinho (+19,49%).

Piadas na web e pressão no Twitter

A decisão do governo de importar mais feijão foi tomada após o preço do produto virar piada nas redes sociais e ser um dos assuntos mais comentados no Twitter, com o bordão #TemerBaixaOPreçoDoFeijão. 

Mais cedo, o presidente em exercício, Michel Temer, replicou a expressão em sua conta pessoal no Twitter.

Os internautas vinham reagindo com bom humor à escalada dos preços, postando piadas e memes nas redes sociais. Veja alguns abaixo.

Lembra do tomate a preço de ouro?

Não é a primeira vez que o preço de um alimento popular entre os brasileiros vai às alturas por causa do clima. 

No primeiro semestre de 2013, o preço do tomate subiu 150% devido às fortes chuvas em várias regiões produtoras e virou meme nas redes sociais.

Na época, um levantamento feito pelo UOL mostrou que o tomate estava mais caro que carne, azeite importado e até caixa de cerveja em alguns supermercados de São Paulo, com o quilo chegando a custar R$ 13,64.

No final daquele ano, o preço do tomate deu uma trégua e o produto fechou 2013 com alta acumulada de 14,74%, sem figurar entre os maiores vilões da inflação. 

A vez da cebola e da cenoura

No primeiro semestre de 2014, foi a vez de a cebola disparar. O preço do produto mais que dobrou, acumulando alta de 148%. No segundo semestre, o preço melhorou um pouco e a cebola fechou aquele ano com alta acumulada de 23,61%. Já o tomate... ficou 3,07% mais barato.

No ano passado, porém, os dois se uniram e "azedaram" o vinagrete do brasileiro: tomate e cebola subiram 60,61% e 47,45%, respectivamente.

A cenoura também já passou por maus momentos. Nos dois primeiros meses deste ano, o preço da hortaliça subiu 64,2%, afetado pelas fortes chuvas na região Sul do país. No início de junho, caiu 25,63%, mas ainda acumula alta de 34,88% no ano.

Receba notícias do UOL Economia pelo WhatsApp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? Primeiro, adicione este número à agenda do seu telefone: +55 (11) 97258-8073 (não esqueça do "+55"). Depois, envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: grana10

(Com agências de notícias)

Preço do feijão carioca sobe prejudicando produtores e consumidores

  •  

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos