Economia encolhe 3,6% em 2016 e país tem recessão mais longa já registrada

Do UOL, em São Paulo

A economia brasileira despencou 3,6% em 2016 e emendou o segundo ano seguido de queda, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (7). É a mais longa recessão pela qual o país já passou. O PIB (Produto Interno Bruto) já havia tombado 3,8% em 2015

O Brasil nunca havia registrado dois anos seguidos de encolhimento da economia, segundo a atual pesquisa do instituto, que começa em 1996, e a pesquisa anterior, iniciada em 1948.

Analistas consultados pela agência de notícias Reuters previam queda de 3,5% no PIB. Já o Banco Central projetava resultado pior, com encolhimento de 4,55%.

Em valores atuais, o PIB de 2016 alcançou R$ 6,3 trilhões.

Piores tombos

Veja os anos em que a economia brasileira teve pior desempenho:

  • 2016: -3,6%
  • 2015: -3,8%
  • 1990: -4,3% (quando Fernando Collor de Mello assumiu o governo e decretou o confisco da poupança)
  • 1981: -4,3% (no governo militar de João Figueiredo)

Agricultura despenca 6,6%

Todos os setores da economia tiveram forte queda no ano passado.

O mais afetado foi a agropecuária, que caiu 6,6%, principalmente devido à atividade agrícola, de acordo com o IBGE.

Na indústria (-3,8%), o setor de transformação, que fornece equipamentos e insumos para outros setores, despencou 5,2% no ano, mesma queda registrada pela construção. Por outro lado, a indústria ligada a energia, gás, água, esgoto e limpeza urbana cresceu 4,7%.

No setor de serviços (-2,7%), o pior recuo foi o de transporte, armazenagem e correio (-7,1%), seguido pelo comércio (-6,3%).

Queda de 0,9% no quarto trimestre

No quarto trimestre, a economia encolheu 0,9% em relação aos três meses anteriores e 2,5% na comparação com o mesmo período de 2015. O resultado é pior que o esperado e indica que a recessão se aprofundou no final do ano passado.

Foi o décimo primeiro trimestre seguido de queda, na comparação anual, e o oitavo na comparação com o trimestre anterior. Em ambas as medições, trata-se da maior sequência de resultados trimestrais negativos em 20 anos, desde 1996, quando começou a atual pesquisa.

Recessão sob Temer

O presidente Temer assumiu interinamente em 12 de maio, quando a ex-presidente Dilma Rousseff foi afastada. Assumiu em definitivo em 31 de agosto, com a aprovação do impeachment no Senado. Temer esteve à frente do governo, portanto, durante a maior parte de 2016.

Apesar dos dados ruins, alguns indicadores econômicos têm mostrado que a atividade já começou a dar sinais de recuperação, ainda que de maneira tímida. Entre eles, estão a melhora da confiança de empresários.

A desaceleração da inflação, que fechou 2016 abaixo do esperado, também pode ajudar neste cenário, uma vez que o Banco Central já iniciou processo de redução da taxa básica de juros, em outubro passado, o que tende a baratear o crédito e estimular o consumo.

De lá para cá, o BC cortou a Selic de 14,25% para 12,25%, e a expectativa é de que o órgão corte ainda mais os juros neste ano.

O que entra na conta do PIB?

PIB é a soma de tudo o que é produzido no país. Os dados consideram a metodologia atualizada do cálculo.

(Com agências de notícias)

O que o PIB tem a ver com a sua vida?

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos