ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Greve de caminhoneiros: veja situação de aeroportos e dos voos pelo país

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/05/2018 14h59Atualizada em 25/05/2018 10h56

A greve dos caminhoneiros provocou um desabastecimento de combustível em diversos aeroportos do Brasil. Com isso, alguns voos tiveram de ser cancelados. As companhias aéreas afirmam que estão acompanhando a situação. Passageiros afetados com a situação podem remarcar o voo, sem custo adicional.

A recomendação aos passageiros é procurar as companhias aéreas para consultar a situação dos voos antes de ir para o aeroporto. 

Veja abaixo a situação das principais companhias aéreas e alguns dos aeroportos afetados. 

Azul

A Azul cancelou 19 voos nesta quinta-feira (24) por falta de combustível. Os cancelamentos afetam, no total, 13 aeroportos do país --em especial o de Recife (PE). Os passageiros com voos programados até 31 de maio podem remarcar os bilhetes sem custo.

Além disso, a empresa suspendeu o serviço gratuito de ônibus para o aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). A suspensão não tem prazo definido. "Este serviço será reestabelecido assim que possível. A companhia avisará a todos quando isso acontecer", afirmou.

Veja abaixo a lista de voos cancelados. A lista também está no site da empresa.

  • AD5250: Belo Horizonte – Porto Velho
  • AD5251: Porto Velho – Belo Horizonte
  • AD5720: Belo Horizonte – Vitória
  • AD4229: Vitória – Belo Horizonte
  • AD2700: Recife – Fernando de Noronha
  • AD2701: Fernando de Noronha – Recife
  • AD2502: Recife – Natal
  • AD5135: Natal – Recife
  • AD2930: Recife – Juazeiro do Norte
  • AD2931: Juazeiro do Norte – Recife
  • AD6980: Recife – Campina Grande
  • AD6981: Campina Grande – Recife
  • AD2718: Belém – Recife
  • AD4321: Recife – Goiânia
  • AD2600: Goiânia – Viracopos
  • AD4148: Goiânia – Palmas
  • AD4149: Palmas – Goiânia
  • AD2764: Recife – Maceió
  • AD5765: Maceió – Recife

Latam

A Latam afirmou que está operando com restrições nos aeroportos de Brasília (DF), Goiânia (GO), Ilhéus (BA), Recife (PE), Teresina (PI), Confins (MG) e Porto Alegre (RS). Passageiros em voos domésticos com partidas, chegadas ou conexões programadas para esses aeroportos podem solicitar a remarcação do voo para outra data sem pagar taxa adicional nem diferenças tarifárias.

Os passageiros devem entrar em contato pelos telefones 4002-5700 (capitais) ou 0300-570-5700 (demais localidades) ou procurar uma loja da companhia.

Gol

A Gol afirmou que a programação de todos os voos da empresa para esta quinta-feira está mantida. A empresa recomenda que os passageiros verifiquem a situação dos voos antes de se deslocarem aos aeroportos, pelos canais de atendimento da companhia. Caso sejam impactados por eventuais cancelamentos, poderão remarcar suas viagens, sem a cobrança de taxas, e de acordo com a disponibilidade, ou pedir reembolso integral de suas passagens.

Avianca

A Avianca afirma que suas operações foram "minimamente afetadas". Os passageiros que foram impactados devem entrar em contato com a companhia pelo número 4004-4040 para remarcar suas passagens, sem cobrança de taxa.

Situação nos principais aeroportos

A Infraero não especifica quais são os aeroportos de sua rede que podem estar sofrendo risco de desabastecimento e em qual prazo. Há registros de restrição de combustível nos aeroportos de Goiânia, Ilhéus, Recife e Teresina.

Guarulhos (SP)

O aeroporto de Guarulhos não enfrenta problemas com a greve dos caminhoneiros. O maior aeroporto do país conta com um queroduto, que transporta o querosene de aviação diretamente de uma refinaria da Petrobras para os tanques de abastecimento do aeroporto. Dessa forma, não há a necessidade do transporte de combustível por caminhões.

Congonhas (SP)

O aeroporto de Congonhas, em São Paulo, recebeu combustível na noite de quarta-feira (23). Com isso, as reservas do aeroporto garantem o abastecimento de todos os aviões programados para operar no terminal nesta quinta-feira (24). Congonhas opera durante todo o dia sem cancelamentos.

Galeão (RJ)

O aeroporto internacional do Rio de Janeiro diz que não enfrenta problemas com a greve dos caminhoneiros. Segundo a administradora RIOgaleão, as operações seguem normais "uma vez que o fornecimento para as aeronaves é realizado por meio de pits de abastecimento, sistemas que movimentam o combustível por tubulações subterrâneas".

Brasília (DF)

Uma das situações mais críticas está no aeroporto de Brasília. A administradora Inframerica afirma que tem um estoque de 330 mil litros de combustível, suficiente para garantir o abastecimento somente até as 17h desta quinta-feira.

Por isso, só podem pousar no aeroporto aviões que tenham de decolar novamente sem a necessidade de reabastecimento. Segundo a administradora do aeroporto, a decisão foi tomada em conjunto com companhias aéreas e empresas de combustível.

Confins (MG)

A administradora do aeroporto de Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), afirmou que adotou "um plano de contingência e todos os esforços para assegurar o abastecimento de aeronaves, mas já enfrenta restrições". Segundo o boletim das 14h, havia dois voos cancelados no aeroporto de Confins por conta do contingenciamento de combustível.

Porto Alegre (RS)

A Fraport Brasil, administradora do aeroporto de Porto Alegre (RS), afirma estar operando em níveis de reserva, com possibilidade de impactos na operação. Até o momento, no entanto, não há registro de voos cancelados.

Recife (PE)

O aeroporto de Recife foi o que teve mais voos cancelados até o momento por causa da falta de combustível. Somente a companhia aérea Azul cancelou dez voos que estavam programados para hoje. A Latam afirmou que também opera com restrições na capital pernambucana.

Salvador (BA)

O aeroporto de Salvador diz que está com estoque suficiente para abastecer todos os voos programados e ainda com sobras para auxiliar outros voos. Aviões que partiram de Brasília e Recife com destino a Lisboa (Portugal) fizeram um pouso em Salvador para abastecimento. O estoque deve durar pelo menos mais três dias, mesmo se não houver reposição de estoque até lá.

Mais Economia