Topo

Mídia e Marketing


Mappin deve voltar ao mercado em 2019 com loja online, segundo donos atuais

Paulo Giandália/Folhapress
Imagem: Paulo Giandália/Folhapress

Renato Pezzotti

Colaboração para o UOL, em São Paulo

2018-12-20T13:51:27

2018-12-20T15:40:51

20/12/2018 13h51Atualizada em 20/12/2018 15h40

O Mappin, marca que já foi ícone entre as lojas de departamentos do Brasil, deve voltar à ativa em 2019. Segundo as Lojas Marabraz, dona da marca, o Mappin será relançado primeiro como e-commerce, ainda no primeiro semestre de 2019. A loja virtual deve oferecer produtos de cama, mesa e banho, além de decoração. 

"Estamos trabalhando para lançar o e-commerce com profundidade de sortimento em quase todas as categorias. Vamos entregar uma experiência completa e positiva, expandindo a marca para atuar em todo território nacional", declararam Nader Fares e Abdul Fares, donos da Marabraz. 

A marca foi adquirida em um leilão judicial pela Marabraz em 2009, por R$ 5 milhões. Na época, a promessa era de que a marca deveria voltar à ativa até 2013 --o que acabou não se concretizando.

"Nosso plano sempre foi lançar o Mappin em um ambiente digital. O foco total nesse primeiro momento está sendo em 'azeitar' as operações no online e entregar os melhores serviços e produtos para os consumidores, e só então estudar a possibilidade de lançar a marca em outros formatos", afirmam. 

História começou em 1913

O primeiro Mappin Stores foi inaugurado na rua 15 de Novembro, no centro de São Paulo, em 1913. Em 1919, a loja mudou-se para a praça do Patriarca, onde ficaria por pelo menos duas décadas. Em 1939, uma nova mudança --e, agora, definitiva: o Mappin chegaria ao prédio em art déco na praça Ramos de Azevedo, sua sede até a falência.

Os departamentos da loja eram divididos pelos andares do prédio, interligados por escadas e elevadores. Cada um deles vendia um tipo de produto, como brinquedos, móveis, roupas e eletrodomésticos. Tornou-se não só um paraíso de compras da elite paulistana, mas também um ponto de encontro na cidade. 

Inicialmente destinado ao público classe A, a loja tornou-se mais popular e foi uma das primeiras empresas a oferecer crediário no país. 

Em 1996, o Mappin teve um dos maiores prejuízos de sua história e foi vendido para o empresário Ricardo Mansur. Em 1999, foi à falência, com dívidas estimadas em cerca de R$ 1,2 bilhão.

Jingle famoso

O jingle do Mappin, criado nos anos 1980, foi um dos mais famosos da publicidade brasileira.

Relembre um dos comerciais:

Jingle do Mappin criado nos anos 1980

UOL Notícias

Mais Mídia e Marketing