Topo

Após sucesso de esferográfica, governo 'muda estilo' e usa caneta chique

Marcelo Camargo/Agência Brasil
O ministro da Economia, Paulo Guedes, assina termo de posse do presidente do BNDES, Joaquim Levy, durante cerimônia de posse aos presidentes dos bancos públicos Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

07/01/2019 17h36Atualizada em 08/01/2019 09h14

caneta esferográfica que fez sucesso na posse dos ministros de Jair Bolsonaro deu lugar a um modelo mais sofisticado nesta segunda-feira (7), na posse dos presidentes dos bancos públicos

Joaquim Levy assumiu o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Rubem Novaes é o novo presidente do Banco do Brasil (BB) e Pedro Guimarães passa a comandar a Caixa Econômica Federal. 

A cerimônia aconteceu no Palácio do Planalto e contou com a presença do presidente, Jair Bolsonaro, do vice-presidente, general Hamilton Mourão, do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. 

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Paulo Guedes passa a caneta para Pedro Guimarães, que assume o comando da Caixa Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Fabricante de esferográfica comemorou

Na semana passada, a Compactor, fabricante de canetas esferográficas, comemorou em suas redes sociais após um de seus produtos ter sido usado por Bolsonaro em sua cerimônia de posse, ao assinar a nomeação de seus ministros. Em post no Instagram, a marca publicou a seguinte frase: "Presidente Jair Bolsonaro assinou a posse com Caneta 100% Brasileira Compactor Economic. Uma honra ver nossa marca ajudando a escrever um capítulo tão importante na história do país".  

No dia seguinte, o próprio Bolsonaro brincou e agradeceu a marca, via Twitter: "Nós é que agradecemos a ótima qualidade e preço da caneta!" 

A marca, sediada em Nova Iguaçu (RJ), aproveitou para fazer um anúncio de oportunidade, também publicado em suas redes sociais. Com uma imagem de duas canetas, a marca postou uma foto com a frase "Economic. A caneta ideal para quem precisa enxugar o orçamento", fazendo uma alusão às declarações recentes do presidente sobre a diminuição de gastos públicos.

Divulgação
Imagem: Divulgação

Mais Economia