IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Seguro de carro e casa é obrigado a cobrir enchentes?

Carro submerso no Av. Armando Lombardi, na Barra da Tijuca, após tempestades que atingiram Rio no dia 6 - Alexandre Durão/Estadão Conteúdo
Carro submerso no Av. Armando Lombardi, na Barra da Tijuca, após tempestades que atingiram Rio no dia 6 Imagem: Alexandre Durão/Estadão Conteúdo

Juliana Elias

Do UOL, em São Paulo

13/02/2019 15h05

Resumo da notícia

  • Contratos básicos não incluem enchente, mas cliente pode incluir essa cobertura
  • Descuidos podem fazer cliente perder direito à indenização
  • Tipos de coberturas têm nome parecidos e podem confundir

Todos os anos, é comum ver notícias de chuvas e enchentes que deixam um rastro de destruição pelo país. Rio de Janeiro, São Paulo e cidades de outros estados, por exemplo, têm enfrentado chuvas fortes nesta semana, com registro de ruas, veículos, casas e estabelecimentos comerciais atingidos. Para quem tem seguro, esse tipo de prejuízo tem cobertura garantida?

Tudo depende do contrato de seguro, ou seja, daquilo que a pessoa decidiu incluir ao contratar a apólice para seu carro ou sua casa. Por isso, é preciso prestar atenção aos detalhes das cláusulas e ponderar se vale pagar um valor mais alto para ter mais garantias. 

"O seguro pode cobrir todos os tipos de danos, desde que tenha uma cobertura ampla, e não apenas a básica", disse José Varanda, coordenador da Escola Nacional de Seguros. "Também é importante que a pessoa evite atitudes que podem render a perda da cobertura depois, como ligar o motor do carro em um alagamento ou deixar as janelas da casa abertas."

Carros: cobertura básica ou completa

Para os carros, a cobertura mais básica normalmente inclui apenas danos relativos a incêndio e roubo. É possível incluir outros tipos de eventos a serem cobertos pela seguradora, como enchentes e batidas. Em contrapartida, os prêmios (a anuidade paga à seguradora) também sobem de acordo com o risco de esses eventos acontecerem e o valor do veículo. 

Danos causados por enchentes, inundações, queda de barreiras, de muros e de árvores são alguns dos acontecimentos que passam a ser obrigatórios nos contratos que contemplam enchentes, independentemente das situações em que aconteceram. 

Em todos os casos, os clientes têm direito tanto ao conserto quanto a receber o valor do veículo em caso de perda total.

Segundo Varanda, o mais comum, e também mais indicado, é que os motoristas optem pelas coberturas mais completas. "A cobertura restrita costuma girar em torno de 65% do valor da compreensiva [completa], mas é muito cara para cobrir apenas incêndio e roubo. Não cobre nem batida", disse ele.

O baixo interesse faz com que muitas seguradoras já partam de pacotes que, no plano básico, incluem enchentes. 

Cuidado ao tentar fugir da enchente

Mesmo tendo direito à cobertura do seguro, o proprietário pode perder o benefício no caso de mau uso, segundo Varanda. Nas situações de enchente, é o que pode acontecer caso o motorista avance sobre a área alagada na tentativa de escapar. 

"A indicação é desligar o motor e não forçar o carro", disse o especialista. "Os danos com o motor ligado [em contato com a água] podem ser piores e, se uma perícia da seguradora indicar que isso agravou a condição do veículo, ela pode negar a cobertura."

No caso do seguro residencial, a empresa também pode negar o reparo, mesmo se previsto na cobertura, caso fique provado que os danos de um alagamento ao imóvel, como em pisos, eletrodomésticos e móveis, tenham sido piorados porque o morador deixou janelas ou portas abertas.

Casa: seguros mais baratos

O seguro residencial também parte de uma cobertura mínima e vai sendo ampliado se o cliente quiser incluir outros tipos de imprevistos na apólice. Para condomínios e estabelecimentos comerciais, as regras, em geral, são as mesmas. 

"Há a cobertura para alagamentos, mas é um adicional que deve ser contratado pelo segurado. Os contratos básicos cobrem incêndio, raio e explosão", disse a superintendente executiva de Seguros Gerais da Mapfre, Patricia Siequeroli. Danos elétricos e roubos são outros exemplos que podem ser incluídos à parte, com aumento proporcional na cobrança. 

A boa notícia é que eles são bem mais baratos, já que os incidentes em casa são menos frequentes do que nos veículos. Segundo Patricia, enquanto o prêmio dos seguros de automóveis gira em torno de 4% do valor do bem, nos residenciais fica próximo de 0,1%, algo como R$ 300 ao ano para um patrimônio total segurado de R$ 300 mil.

"Uma pessoa que pague R$ 250 [por ano] pelo seguro básico pode ter acrescido cerca de R$ 100 para adicionar a cobertura de enchente ou outras", disse ela.

O preço final depende, principalmente, do valor que o cliente opte por segurar --se ele escolhe acrescentar uma cobertura para enchentes no valor de R$ 30 mil à sua apólice, é esse o valor máximo que terá direito a receber caso uma enchente venha, de fato, a acontecer. O valor é recebido em dinheiro e pode ser usado para reparar o imóvel ou repor móveis perdidos, por exemplo. 

"Inundação", "alagamento" e "vendaval"

José Varanda, da Escola Nacional de Seguros, menciona que, nos seguros residenciais, é importante o cliente prestar atenção ao contrato, já que há nomes parecidos para eventos, que, na hora da indenização, são diferentes.

Cobertura de "inundação", diz ele, repara os danos relativos apenas a transbordamento de rios, enquanto a cobertura de "alagamentos" garante também a indenização por outros tipos de enchentes, como as causadas por tempestades.

Outra variação possível, os "vendavais", indeniza apenas eventos como descolamento de telhas e queda de árvores. "É importante tirar todas essas dúvidas com o corretor na hora da contratação", disse. 

Mais Economia