IPCA
0.01 Jun.2019
Topo

Greve pode afetar funcionamento dos bancos na sexta; veja como pagar contas

Do UOL, em São Paulo

2019-06-13T04:00:00

2019-06-13T10:10:23

13/06/2019 04h00Atualizada em 13/06/2019 10h10

Quem tem contas a pagar ou precisa ir ao banco deve se programar e buscar alternativas. A greve geral contra a reforma da Previdência, convocada para esta sexta-feira (14), deve afetar o funcionamento de agências de bancos públicos e privados em todo o país.

A Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), sindicato nacional dos bancários, convocou toda a categoria para a greve. Até o final da tarde ontem, bancários de ao menos 16 capitais --incluindo São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte-- haviam confirmado participação (leia mais abaixo).

Como fazer para pagar as contas

A greve, no entanto, não tira do consumidor a obrigação de pagar as contas que vencem amanhã, alerta a Proteste. A entidade orienta os consumidores a usar meios alternativos para honrar seus compromissos.

As opções indicadas para quem tem contas a pagar nesta sexta-feira incluem:

  • Caixas eletrônicos
  • Internet banking
  • Bancos digitais
  • Aplicativo do banco no celular (mobile banking)
  • Operações bancárias por telefone
  • Correspondentes (lotéricas, Correios, redes de supermercados)

Locais que vão aderir à greve, segundo o sindicato

Até o final da tarde de ontem, a Contraf-CUT havia contabilizado a adesão de bancários de 16 capitais, além do Distrito Federal:

  • Belém (PA)
  • Belo Horizonte (MG)
  • Cuiabá (MT)
  • Curitiba (PR)
  • Distrito Federal
  • Florianópolis (SC)
  • Fortaleza (CE)
  • João Pessoa (PB)
  • Maceió (AL)
  • Porto Alegre (RS)
  • Porto Velho (RO)
  • Recife (PE)
  • Rio Branco (AC)
  • Rio de Janeiro (RJ)
  • Salvador (BA)
  • São Paulo (SP)
  • Teresina (PI)

Também aprovaram adesão à paralisação, segundo a Contraf-CUT, bancários de Dourados (MS); Campina Grande (PB); Baixada Fluminense, Macaé e Niterói, no Rio; Guarulhos, Piracicaba, Jundiaí, Santos, Taubaté e Mogi das Cruzes, em São Paulo; e Ipatinga, Juiz de Fora, Teófilo Otoni, Uberaba e Patos de Minas, em Minas Gerais.

"Os trabalhadores vão dar um recado ao governo e ao Congresso que não vamos aceitar a retirada de direitos. Além disso, há uma série de ações do governo que afetam os bancários, afetam todo mundo, como os cortes na Educação. Não é só [um protesto contra a] reforma da Previdência", disse a presidente da confederação, Juvandia Moreira.

Procurada pela reportagem, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) disse que não se manifestaria sobre a greve.

Como cobrar dívida de um amigo

UOL Notícias

Mais Economia