IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

"Somos 200 milhões de trouxas explorados", diz Paulo Guedes sobre o Brasil

Ministro Paulo Guedes foi a principal atração do primeiro dia do Expert 2019, em SP - Lucas Borges Teixeira/UOL
Ministro Paulo Guedes foi a principal atração do primeiro dia do Expert 2019, em SP Imagem: Lucas Borges Teixeira/UOL

Lucas Borges Teixeira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/07/2019 18h38Atualizada em 04/07/2019 19h43

O ministro da Economia, Paulo Guedes, teve um dia de pop star em um evento voltado ao mercado financeiro na tarde desta quinta-feira (4), em São Paulo. Entre aplausos e risadas, fez um panorama dos desafios do governo, falou sobre Previdência e usou seu estilo polêmico para definir os problemas que vê no Brasil. Ele disse que "somos 200 milhões de trouxas explorados" por poucas empresas.

O Brasil é uma pirâmide de cabeça para baixo, com a União com o todo [de recursos], ao contrário dos Estados Unidos. Se falta segurança pública, hospital, saneamento, esse recurso tem que descer. Não pode estar lá em cima. Nós somos 200 milhões de trouxas, explorados por duas empreiteiras, quatro bancos, seis distribuidoras de gás, uma produtora de petróleo.
Paulo Guedes

Convidado para falar sobre "o Brasil e seus caminhos", Guedes foi a principal atração do primeiro dia do Expert 2019, promovido pela XP Investimentos, voltado exclusivamente para agentes do mercado financeiro.

Dia de pop star

Guedes estava jogando em casa: ao subir ao palco do auditório principal, lotado, foi recebido com um minuto de aplausos em pé. Ao fundo, ouvia-se o grito "meu presidente". O ministro fez um pequeno retrospecto da economia brasileira nos últimos anos e tratou de como tem tentado fazer diferente.

Na palestra, que foi de gastos públicos a relações internacionais, seu jeito polêmico foi o que mais causou reações --em especial quando criticou as gestões anteriores e seu "abuso na centralização do poder".

"O presidente torce para um time, surge um estádio. O presidente gosta de um empresário, ele vira o maior produtor de proteína do mundo. Gosta de outro, vira a maior empreiteira da América Latina. Não pode ser assim. Você precisa ter competição, precisa de mercado", afirmou Guedes.

Nós precisamos limitar [o Estado] e descentralizar poderes.
Paulo Guedes

Brasil deixa Venezuela e Cuba

O ministro, originário do mercado financeiro, também arrancou risadas e aplausos ao falar das novas relações econômicas do país internacionalmente. "O eixo [econômico] do mundo mudou pra Ásia, está todo mundo saindo da miséria. O chinês, quando nasce, já amarra uma TV de tela plana nas costas, joga no [Oceano] Pacífico, vem pra cá e vende esse negócio", brincou. "Enquanto isso, o Brasil, abraçado com a Argentina, afundou."

Segundo Guedes, agora o país deixou o eixo de negócios com "países de ideologia obsoleta", como Venezuela e Cuba, e partiu para os grandes mercados, como Estados Unidos e União Europeia.

Prefeito de Nova York é um "bobão"

Em meio às viagens internacionais, também arrancou risadas e aplausos quando comentou o caso do prefeito de Nova York, Bill De Blasio, que criticou a ida de Bolsonaro à cidade, em maio.

O prefeito de NY não é liberal nem conservador: é um pássaro raro. Em uma cidade que recebe ditadores do mundo inteiro, o presidente do Brasil vai ser ridicularizado por um prefeito? Ridículo! Ele não tem noção de onde ele vive, é um tonto, um bobão.
Paulo Guedes

Depois de quase uma hora e meia de palestra e poucas perguntas, o ministro deixou o palco sob mais uma onda de aplausos em pé. Ao se despedir, foi recebido por um grande grupo na área VIP, à frente do palco, que o saudou e tirou selfies.

"We trust in you, mr. Guedes" ("Nós confiamos em você, senhor Guedes"), gritou uma participante enquanto o ministro deixava o palco.

Críticas a grandes gastos e afago ao Congresso

A palestra não foi muito diferente do que costuma apresentar: apontou o excesso de gastos públicos como "o principal vilão do Brasil nos últimos 40 anos" e disse que o primeiro passo é aprovar a reforma da Previdência enquanto enxuga a máquina estatal.

Houve, no entanto, uma leve mudança de tom com o Congresso.

A grande maioria [dos parlamentares] é bem-intencionada, quer o bem do Brasil. Só há uma pequena margem de monstros do pântano [que atrapalha].
Paulo Guedes

Guedes destacou que o governo vive sua fase mais difícil neste início e que a economia só tende a melhorar. "Nosso diagnóstico é que este excesso degenerou a democracia, corrompeu-a e estagnou a economia", declarou Guedes. "Nossa preocupação é como reduzir isso. Vamos desinvestir, por isso criamos a pasta de Desestatização."

Para depois da Previdência

Segundo Guedes, se a reforma for de fato aprovada agora, o plano da pasta econômica do governo é voltar suas atenções a dois eixos: reforma tributária, na Câmara, que já começou a debater a sua própria, e um pacto federativo no Senado que desvincularia as contas de municípios, estados e União.

"Na versão mais radical, todas as despesas estarão desobrigadas em todos os entes federativos. O prefeito hoje está amarrado pela Constituição", afirmou Guedes. "Ele poderá gastar o dinheiro de acordo com suas necessidades. Isso lhe dará liberdade no orçamento, mas também mais responsabilidades."

Entenda a proposta de reforma da Previdência em 10 pontos

UOL Notícias

Mais Economia