PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Mídia e Marketing

Projeto pretende autorizar publicidade em rádios comunitárias

Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/07/2019 15h24

Um projeto de lei pretende permitir que rádios comunitárias veiculem publicidade em suas programações. O PL 666/2019, de autoria do senador Weverton (PDT-MA), pretende alterar a Lei 9.612, de 1998, que institui o serviço de radiodifusão comunitária, para permitir a veiculação de publicidade institucional de interesse social e a divulgação de atos da administração pública.

As rádios comunitárias são emissoras que pertencem a associações ou fundações que representam um público de uma pequena cidade, bairro ou vila. De acordo com dados da Associação Mundial de Rádios Comunitárias (Amarc), estima-se que existam entre 10 e 12 mil rádios comunitárias no Brasil, sendo apenas 4,5 mil autorizadas a funcionar regularmente.

Essas rádios atuam como porta-vozes das comunidades e possuem função cultural e social. Por isso, não podem ter intervalos comerciais explícitos, apenas apoios culturais de estabelecimentos localizados na área de cobertura. Os horários de programação também não podem ser alugados ou vendidos a terceiros.

Segundo o senador, as emissoras comunitárias prestam um serviço muito importante para as suas comunidades, porém têm enfrentado dificuldades para se manter em operação devido aos custos do serviço. Assim, pretende-se alterar a atual forma de financiamento.

"Tendo em vista a necessidade de garantir a possibilidade de obtenção de maiores recursos e manter as rádios comunitárias em uma lógica de funcionamento não comercial, propomos permitir que o poder público possa se utilizar de seus serviços para divulgação cultural, disseminação de informações de interesse social e para a divulgação de atos da administração pública", explica o senador na justificativa do projeto. A ideia é que o tempo destinado à publicidade não possa exceder 10% da programação diária.

As informações são da Agência Senado.

Geração Y quer inovação, mas também é conservadora

UOL Notícias

Mídia e Marketing