IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

"Rei do bitcoin" tem bens bloqueados após dívida milionária com clientes

Da esq. para a dir.: Claudio Oliveira, dono do grupo Bitcoin Banco, sua mulher, Lucinara, e o jornalista Amaury Jr. - Reprodução/Facebook
Da esq. para a dir.: Claudio Oliveira, dono do grupo Bitcoin Banco, sua mulher, Lucinara, e o jornalista Amaury Jr. Imagem: Reprodução/Facebook

Lucas Gabriel Marins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

19/08/2019 17h18

O empresário Claudio Oliveira, dono do Grupo Bitcoin Banco, de Curitiba (PR), teve o sequestro de bens decretado pela Justiça na última sexta-feira (16). Conhecido como "rei do bitcoin", Oliveira e a empresa respondem a mais de cem processos judiciais e têm uma dívida milionária com clientes que não conseguiram fazer saques em suas contas.

Uma das ações foi movida pelo advogado Gustavo Bonini Guedes, que representa clientes com cerca de R$ 13 milhões a receber. O valor total devido pelo grupo, segundo Guedes, gira em torno de R$ 70 milhões, mas não é possível saber o montante exato, porque muitos processos correm em segredo de Justiça.

O UOL entrou em contato com o Bitcoin Banco, e a assessoria de imprensa disse que não vai se pronunciar sobre o caso. O assessor de Oliveira também disse que não haverá pronunciamento jurídico.

Viagem marcada para a Suíça na quarta-feira

Para não ter os bens confiscados, Oliveira teria se comprometido a pagar parte das dívidas nesta segunda-feira (19), o que não aconteceu, segundo Guedes, que teve uma reunião com o empresário no começo da tarde de hoje.

"Ele alegou que não tem recursos suficientes e pediu um prazo maior para fazer o pagamento. Eu disse que o prazo final seria hoje", afirmou o advogado.

Ele disse que está em contato com oficial de Justiça para retomar a busca e apreensão dos bens, que incluem sapatos, joias, bolsas e outros objetos de alto valor que podem ajudar a quitar as dívidas. A ação, segundo o advogado, deve ocorre entre hoje e terça-feira (20).

O empresário afirmou que deve viajar para a Suíça na quarta-feira (21) para visitar sua filha, segundo Guedes. O Banco Bitcoin não confirmou a informação, nem desmentiu. O assessor disse apenas que "não há nada a respeito disso".

Investiu R$ 35 mil e não consegue sacar

Os problemas do grupo, que tem dez empresas, vieram à tona em maio deste ano, quando usuários começaram a ter problemas para fazer saques na plataforma. O engenheiro de telecomunicações Gonçalo Almeida, 48, é um deles. O português, que conheceu o grupo em maio deste ano, afirma ter cerca de R$ 35 mil na plataforma.

"Desde então, não consigo sacar nada. Parece-me um golpe para enganar trouxas. Não existe isso de ficar tanto tempo com o saque bloqueado", disse Almeida, que opera com bitcoins há cerca de dois anos.

Em grupos do WhatsApp, promete devolver tudo

Desde o início dos problemas na plataforma, Oliveira tem-se pronunciado em grupos do WhatsApp e Telegram que reúnem clientes do banco. Ele afirmou que irá sanar todas as pendências.

Em um dos áudios, divulgado neste mês, o empresário afirmou que reconhece a situação e disse trabalhar para resolvê-la. Disse, ainda, que os problemas estão maiores por causa dos clientes que entraram na Justiça.

Na semana passada, clientes do grupo, que tem mais de 20 mil usuários, segundo a Folha, fizeram uma manifestação na sede da empresa, na região central da capital paranaense.

Mais Economia