PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Presidente da CMO encerra sessão com Paulo Guedes após briga com deputado

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

25/09/2019 18h13

O presidente da CMO (Comissão Mista de Orçamento) do Congresso Nacional, senador Marcelo Castro (MDB-PI), encerrou a audiência pública com o ministro da Economia, Paulo Guedes, após o deputado Glauber Braga (Psol-RJ) interromper sucessivamente o chefe da equipe econômica.

Durante a sessão de perguntas, o deputado questionou se o ministro teve "ganhos bilionários no setor de educação com seus negócios antes de entrar para o Ministério (da Economia)". Braga também declarou que os governos do PT fizeram o ajuste nas contas públicas.

"Na educação pública o que a gente viu aqui é a diminuição de recursos que facilite a ampliação do setor privado. E gostaria que o senhor explicasse as relações do senhor com o setor privado e se teve ganhos bilionários no setor de educação com os seus negócios antes de entrar para o Ministério (da Economia)", disse Braga.

Durante sua resposta, Guedes afirmou que os governos do PT fizeram superávit até 2013, mas acumularam seguidos déficits fiscais nos anos seguintes.

O ministro também declarou que não faria qualquer comentário sobre as suas finanças pessoais.

"Naturalmente eu vou tratar de questões orçamentárias. As questões que ele queira fazer de cunho interrogativo a respeito das minhas finanças pessoais ele deve procurar outro fórum. Porque eu já entreguei, quando entrei (no governo), a minha situação ao Comitê de Ética", disse.

Guedes também criticou os governos do PT, afirmou que eles foram culpados pelo desmonte do estado e que estava no governo há apenas oito meses. Nesse momento, o deputado do PSOL questionou as relações de Guedes com fundos de pensão. O ministro é investigado pelo TCU (Tribunal de Contas da União) por supostas fraudes em operações com fundos de pensão de estatais.

"O senhor não tem nenhuma relação com os fundos de pensão?", disse Braga. "Faça a acusação em fórum privado e será processado. Faça, faça", disse Guedes. Após esse momento, o presidente da comissão encerrou os trabalhos.

Guedes condiciona o aumento real do salário mínimo à aprovação de reformas

UOL Notícias