IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Proposta proíbe subir salário mínimo acima da inflação por 2 anos em crises

Maria Carolina Abe e Antonio Temóteo

Do UOL, em São Paulo e Brasília

05/11/2019 19h24Atualizada em 08/11/2019 19h48

Resumo da notícia

  • Proposta faz parte das medidas de emergência a serem adotados pela União, por estados e municípios em crise fiscal
  • Em abril, o governo já havia decidido acabar com o reajuste real do mínimo, dando apenas a correção pela inflação
  • O ministro da Economia, Paulo Guedes, já declarou que o aumento real do mínimo só será concedido após a aprovação do ajuste fiscal

Uma das propostas enviadas pelo governo de Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional estabelece medidas de emergência a serem adotados pela União e por estados e municípios em situação de grave crise nas contas públicas. Uma delas proíbe reajustar o salário mínimo acima da inflação por dois anos.

Segundo a proposta, as medidas emergenciais poderão ser adotadas pelo governo federal se o Congresso autorizar o descumprimento da chamada Regra de Ouro, que impede o governo de se endividar para pagar gastos básicos. Para estados e municípios, a emergência acontece quando as despesas ultrapassarem 95% das receitas. A proposta ainda será analisada pelo Senado e, se aprovada, seguirá para a Câmara dos Deputados.

Governo já previa fim do aumento real

Em abril, o governo já havia decidido acabar com o reajuste do salário mínimo acima da inflação, dando apenas a correção pela inflação medida pelo INPC (Índice Nacional do Preços ao Consumidor).

A decisão representou uma mudança em relação ao modelo de reajuste do mínimo adotado por lei a partir de 2007, nos governos do PT, e que perdeu validade em 1º de janeiro deste ano.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, havia afirmado que o salário mínimo só teria aumento real, acima da inflação, se fossem aprovadas as reformas fiscais.

Mínimo de R$ 1.039,00 em 2020

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), aprovada pelo Congresso em outubro, prevê salário mínimo de R$ 1.040 em 2020. O governo, porém, já atualizou esse valor e anunciou, em agosto, que o mínimo deve ser R$ 1 menor, de R$ 1.039.

A mudança está prevista no Ploa (Projeto de Lei Orçamentária Anual) que ainda tramita no Legislativo. Essa diminuição foi causada pela mudança na previsão de inflação, usado pelo governo para calcular o reajuste do mínimo.

Situação de emergência fiscal

A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) apresentada pelo governo inclui medidas permanentes e temporárias de ajuste nas contas de União, estados e municípios em caso de emergência fiscal.

No caso das medidas temporárias, elas valerão por dois anos e incluem a redução da jornada e salário dos servidores públicos em até 25%. No estado de emergência:

  • Os entes da federação não podem promover funcionários, com exceção de serviço exterior, judiciário, membros de MP, policiais e militares;
  • Também ficam impedidos de dar aumento de salário, criar cargos, reestruturar carreiras, fazer concurso ou criar verbas indenizatórias;
  • Fica suspensa a criação de despesas obrigatórias e de benefícios tributários;
  • Permite redução de até 25% da jornada de trabalho (e dos vencimentos) dos servidores.

Entre as medidas permanentes está a previsão de uma lei complementar para definir indicadores, níveis sustentáveis de endividamento e regras para a dívida pública.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Presidente diz esperar que medidas sejam aprovadas até meados de 2020

UOL Notícias

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia