PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Médico diz que estudos mostram correlação entre bebidas adoçadas e diabetes

Claudia Varella

Colaboração para o UOL, em São Paulo

05/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Açúcar em excesso pode aumentar o risco de desenvolver diabetes
  • Consumo excessivo de açúcar tem correlação direta com obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares
  • Maioria dos alimentos não precisa ser adoçada
  • Preferência pelo paladar se dá principalmente na infância
  • Doces, chocolates e sobremesas devem ser consumidos apenas em situações excepcionais

Em entrevista à série UOL Líderes, o CEO da Nestlé Brasil, Marcelo Melchior, disse que "não é provado que o açúcar refinado ou mascavo fazem mal. Tudo isso é mais percepção do que ciência."

O médico endocrinologista Paulo Augusto Miranda, diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), diz que há correlação entre bebidas adocicadas e diabetes. "Um dos pontos mais importantes, e alguns estudos mostram realmente, é que há essa correlação entre o consumo excessivo de açúcar, principalmente bebidas adocicadas como refrigerantes ou sucos industrializados, e o desenvolvimento do diabetes", afirmou.

A SBEM recomenda que se evite o consumo excessivo de açúcar por ele ter correlação direta com obesidade, diabetes e as consequências associadas a essas doenças.

Segundo Miranda, o açúcar, além de causar a obesidade, é também um fator de risco para o desenvolvimento de diabetes e doenças cardiovasculares.

"No passado achava-se que qualquer alimento que levasse à obesidade poderia aumentar o risco de diabetes. Mas essa ideia caiu por terra, isso porque se observa que o consumo excessivo de açúcar pode aumentar o risco de diabetes", afirmou o endocrinologista.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Economia