PUBLICIDADE
IPCA
0,21 Jan.2020
Topo

Quase metade das fintechs dobrou de faturamento em 2019, aponta estudo

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

08/01/2020 15h07

Resumo da notícia

  • Pesquisa da ABFintechs e da consultoria PwC Brasil entrevistou executivos de 205 empresas
  • Entre elas, 22,4% estão no mercado de meios de pagamento, 21% no segmento de crédito e 10% são bancos digitais
  • Do total de empresas, 62% faturam até R$ 5 milhões e 30% tem receitas de até R$ 20 milhões.
  • Um quarto delas pretende investir em tecnologias de biometria em 2020

De 205 fintechs, quase metade (48%) dobrou o faturamento em 2019, segundo pesquisa da ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs) e da consultoria PwC Brasil divulgada nesta quarta-feira (8).

Ainda segundo o estudo, das fintechs ouvidas:

  • 8% ainda desenvolvem o produto e não têm clientes
  • 62% já estão em operação e têm faturamento abaixo de R$ 5 milhões
  • 30% estão em expansão e faturam até R$ 20 milhões

Das companhias, 22,4% estão no mercado de meios de pagamento, outras 21% no segmento de crédito e 10% são bancos digitais. Em relação à localização, 73% estão na região Sudeste e metade delas, no estado de São Paulo.

Investimento em inteligência artificial

Um quarto das fintechs disse que pretende investir em tecnologias de biometria (uso de digital ou reconhecimento facial para identificação do cliente) e gestão de identidades ao longo de 2020.

Para melhorar a gestão e a qualidade dos serviços prestados, 26% das empresas informaram que investirão em inteligência artificial em 2020. Segundo a pesquisa, essa tecnologia pode ajudar as fintechs a gerenciar riscos, prevenir fraudes, combater a lavagem de dinheiro.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

O que é preciso para os juros caírem de verdade no Brasil?

UOL Notícias

Economia