PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Dinheiro contra crise não está chegando às microempresas, diz secretário

Do UOL, em São Paulo

14/04/2020 13h23

Resumo da notícia

  • Representante do governo reconhece que crédito não está chegando a micro e pequenas empresas
  • Entre medidas em estudo está a participação de empresas de maquinhas para levar crédito do BNDES a empreendedores
  • Exigência de garantias pelo banco é outro problema que micro e pequena empresa enfrenta para tomar crédito

O governo não está conseguindo fazer com que cheguem às micro e pequenas empresas os recursos liberados para combater a crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus, disse hoje Diogo Mac Cord, secretário de Infraestrutura da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, ligado ao Ministério da Economia.

Durante a edição desta terça-feira do UOL Debate, o secretário admitiu que o governo ainda está buscando formas de fazer com que o dinheiro chegue a quem precisa e afirmou que novas medidas poderão ser adotadas, incluindo a utilização das maquininhas de cartão para intermediar as operações de crédito.

O debate teve também a participação da gerente regional do Sebrae-SP, Iroá Arantes, do professor e coordenador do Centro de Estudos em Negócios do Insper, David Kallás, do senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, e de Jennifer Rodrigues, sócia-fundadora da Empreende Aí, escola de negócios voltada para a capacitação popular, em comunidades e favelas.

Para Mac Cord, as medidas anunciadas pelo governo até agora para apoiar as empresas podem ser revistas. "Seria loucura cravar uma solução mágica ainda sem a clareza de qual será a profundidade desta crise. Estamos avaliando todas as medidas", afirmou.

Já temos mais de cem ações do governo que atingem pequenos, médios e grandes. Além das 103 já implementadas, temos xis ações sendo discutidas, que vão obviamente do auxílio [emergencial de R$ 600] ao micro e pequeno empresário. Nós temos uma restrição que vamos precisar vencer, que é justamente a disputa por recursos. Nós temos a intenção de priorizar o empreendedor.
Diogo Mac Cord, secretário de Infraestrutura da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade

Parcela de empreendedores não tem apoio nenhum

Uma parcela dos pequenos empreendedores ainda não foi atendida pelas medidas anunciadas pelo governo até agora.

No caso do auxílio emergencial de R$ 600, só têm direito os empreendedores que são MEI (Microempreendedor Individual) e faturaram até R$ 28 mil no ano passado

Outra medida disponibilizada é o crédito para folha de pagamento de funcionários, oferecido a empresas que faturam a partir de R$ 360 mil por ano.

Não foi criado nenhum tipo de apoio, até o momento, às micro e pequenas empresas que estão no patamar intermediário, com faturamento acima de R$ 29 mil e abaixo de R$ 360 mil.

Maquininhas para dinheiro chegar à ponta

O representante do ministério da Economia reconheceu que o dinheiro não está chegando a quem precisa mesmo depois de o governo tentar elevar a oferta de crédito, liberar depósitos compulsórios —recursos que os bancos são obrigados a deixar parados.

Por isso, afirmou que o Ministério da Economia está analisando toda a cadeia do sistema de crédito para solucionar o problema. "É um problema do sistema bancário brasileiro? Falta de garantia? Capilaridade?", disse, citando exemplos de possíveis problemas que estão sendo estudados.

Segundo o secretário, o governo estuda usar as maquinhas de cartão para fazer com que o dinheiro chegue aos microempresários. "O BNDES está, sim, fazendo avaliação de como consegue acessar maquininhas", afirmou.

Dificuldade para dar garantia aos bancos

Participantes do painel também destacaram que, quando o crédito é disponibilizado a quem precisa, os bancos pedem garantias, o que atrapalha a obtenção dos empréstimos.

"Neste momento, a principal necessidade é o crédito", afirmou a gerente regional do Sebrae-SP, Iroá Arantes. Segundo ela, as empresas muitas vezes não têm avalista nem movimentação financeira ou demonstração contábil que sirvam de garantia para os bancos. "Na questão do crédito, é importante colocar que não adianta o crédito se ele for caro", disse.

O senador Omar Aziz (PSD-AM) defendeu que o Tesouro Nacional seja o avalista das operações de crédito para os micros e pequenos empresários. "Não é falta de dinheiro. É falta de garantias. Para elas [micro e pequenas empresas] terem acesso a esse crédito, tem que ter avalista. E quem tem que ser avalista?", questionou. "Para mim, o avalista tem que ser o Tesouro Nacional".

De acordo com Aziz, o Brasil tem quase quatro milhões de pequenas e médias empresas, "e não podemos deixar esse pessoal sem recurso para a economia girar". Segundo ele, a economia já vinha "cambaleando, com PIB muito pequeno".

Para o professor e coordenador do Centro de Estudos em Negócios do Insper, David Kallás, historicamente, bancos públicos, como BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, acabam oferecendo crédito com linhas mais subsidiadas. "Seria o primeiro lugar que eu, como empreendedor, consultaria", disse.

Jennifer Rodrigues, da Empreende Aí, destacou que os impactos das medidas de distanciamento social criam um desafio a mais para empreendedores de regiões periféricas. "Nas periferias, a gente tem um grande desafio, porque as coisas demoram para chegar. Acho que a gente tem que se mobilizar enquanto rede, [pensando em] como a gente pode somar forças para se apoiar", disse. Ela defende que os consumidores comprem dos pequenos empresários, para "fomentar essa economia que está tão fragilizada".

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.

PUBLICIDADE