PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Bolsonaro diz que não autorizou antecipação de auxílio emergencial

Jair Bolsonaro (sem partido)  - Palácio do Planalto
Jair Bolsonaro (sem partido) Imagem: Palácio do Planalto

Do UOL, em São Paulo

23/04/2020 11h47

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse hoje que o anúncio da antecipação da 2ª parcela do auxílio emergencial, feito na segunda-feira (20) em entrevista coletiva com as presenças do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, e do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, foi realizado sem o seu consentimento. A medida foi revogada pelo governo.

"Nada foi cancelado. Um ministro anunciou sem estar autorizado, que iria antecipar a segunda parcela. Primeiro se deve pagar a todos a primeira parcela, depois o dinheiro depende de crédito suplementar já que ultrapassou em quase 10 milhões o número de requerentes. Tudo será pago no planejado pela Caixa", disse Bolsonaro.

O comentário do presidente da República foi feito em resposta a uma seguidora em uma rede social. Ela disse que o governo havia cancelado o auxílio.

Jair Bolsonaro desautoriza Onyx - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

O Ministério da Cidadania anunciou que o governo não conseguirá, por "fatores legais e orçamentários", antecipar o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600.

Em nota, a pasta explicou que, "pelo alto número de requerentes que ainda estão em análise", está impedida legalmente de fazer a antecipação do benefício, prometida também pela Caixa Econômica Federal. A suspensão do pagamento foi recomendada pela Controladoria Geral da União (CGU).

"O governo Bolsonaro tem como marca a responsabilidade fiscal e o cumprimento de todas as normas legais", garantiu, acrescentando que já solicitou ao Ministério da Economia uma suplementação orçamentária para conseguir pagar o auxílio ao restante dos beneficiários.