PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Vendas no varejo brasileiro recuam 16,8% em abril, mostra IBGE

Pandemia diminuiu consideravelmente as vendas no varejo do país - Getty Images
Pandemia diminuiu consideravelmente as vendas no varejo do país Imagem: Getty Images

16/06/2020 09h08

As vendas no varejo brasileiro recuaram 16,8% em abril na comparação com o mês anterior, divulgou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com o mês de abril de 2019, a baixa também foi de 16,8%. Já as vendas do varejo restrito acumularam recuo de 3% no ano e alta de 0,7% em 12 meses.

A expectativa em pesquisa da Reuters era de baixa de 12% na comparação mensal e de queda de 13,6% sobre um ano antes.

Entre março e abril, houve quedas nas oito atividades pesquisadas: tecidos, vestuário e calçados (-60,6%), livros, jornais, revistas e papelaria (-43,4%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-29,5%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-29,5%), móveis e eletrodomésticos (-20,1%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-17%), combustíveis e lubrificantes (-15,1%) e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-11,8%).

No ramo que inclui as atividades de material de construção e de veículos, chamado de "varejo ampliado", as vendas caíram 17,5% em abril ante março, na série com ajuste sazonal.

Em relação à receita nominal, o varejo teve quedas de 17% na comparação com março deste ano e de 13,7% na comparação com abril do ano passado.

PIB em queda livre

Ontem, economistas de instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) reduziram novamente a estimativa de crescimento da economia neste ano. Agora, a previsão para 2020 é de queda de 6,51% no PIB (Produto Interno Bruto).

Na semana passada, a projeção para o PIB era de -6,48%. Os dados constam do Boletim Focus, divulgado na manhã de hoje pelo BC. As previsões negativas para a economia brasileira são reflexo da crise do coronavírus, que provocou a paralisação de diversos setores no país.

Os economistas também aumentaram as estimativas para a inflação, enquanto a previsão para a cotação do dólar ficou menor e a da taxa básica de juros (Selic) foi mantida.

Veja abaixo as principais projeções do Boletim Focus para o final de 2020:

  • PIB: caiu de -6,48% para -6,51%
  • Inflação: subiu de 1,53% para 1,6%
  • Dólar: caiu de R$ 5,40 para R$ 5,20
  • Selic: mantida em 2,25% ao ano

(Com informações de Agência Brasil, Estadão Conteúdo e Reuters)