PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Nubank reduz prejuízo no 1º semestre, mas ainda perde R$ 95 milhões

Sede do Nubank, em São Paulo - Divulgação
Sede do Nubank, em São Paulo Imagem: Divulgação

João José Oliveira

do UOL, em São Paulo

26/08/2020 16h46

Resumo da notícia

  • Receitas crescem 104%, a R$ 2,1 bilhão, no 1º semestre de 2020 ante igual período de 2019
  • Despesas aumentam 106%, para R$ 1,8 bilhão
  • Base de clientes mais que dobra para 26 milhões de consumidores

O Nubank, empresa financeira digital, registrou prejuízo líquido de R$ 95,02 milhões no primeiro semestre deste ano, uma perda 32% menor que a apurada em igual período de 2019.

O desempenho do Nubank entre janeiro e junho deste ano teve como destaque o aumento da base de clientes, que passou de 11 milhões para 26 milhões de consumidores, fator que ajudou a elevar as receitas de intermediação financeira em 104%, para R$ 2,1 bilhões.

As despesas totais também subiram, de R$ 881,7 milhões para R$ 1,8 bilhão. As despesas de intermediação financeira subiram de R$ 309,6 milhões, em junho de 2019, para R$ 758,9 milhões, ao fim do primeiro semestre de 2020. Na mesma base de comparação, as outras despesas operacionais avançaram de R$ 572,1 milhões a R$ 1,06 bilhão.

"Nosso resultado e balanço financeiro refletem esses esforços e mostram que o modelo do Nubank segue sólido mesmo diante de um cenário tão incerto", escreveu no site da empresa o diretor financeiro (CFO) do Nubank, Marcelo Kopel.

"As receitas operacionais continuam aumentando em um ritmo mais acelerado que as despesas e a nossa geração de caixa operacional se mantém sólida e em trajetória de alta. Isso permite que a gente continue com nossa estratégia de crescimento, com nível de capitalização compatível com o desenvolvimento do nosso negócio", disse Kopel.

O Nubank encerrou junho com R$ 19 bilhões em caixa, aumento de 48% ante dezembro de 2019. E o saldo de depósitos no primeiro semestre, considerando as retiradas, ficou em R$17,3 bilhões, ou 60% maior que o registrado dezembro de 2019.