PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

'Combina primeiro, anuncia depois', diz Barros após interromper Guedes

Deputado Ricardo Barros (à direita), líder do governo na Câmara, interrompeu Guedes falando por diversas vezes "tá bom" - Reprodução/CNN Brasil
Deputado Ricardo Barros (à direita), líder do governo na Câmara, interrompeu Guedes falando por diversas vezes "tá bom" Imagem: Reprodução/CNN Brasil

Do UOL, em São Paulo

25/09/2020 17h40

O deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, explicou hoje como tem funcionado a nova articulação política que motivou uma cena que chamou a atenção anteontem, quando o ministro da Economia Paulo Guedes foi interrompido enquanto dava uma entrevista coletiva em Brasília. Segundo Barros, a intenção é evitar anúncios precipitados.

"A gente não quer mais ficar falando coisas para a mídia que depois o próprio governo vai dizer que não concorda, por isso essa nova articulação política, que combina primeiro, anuncia depois", disse o deputado em entrevista à CNN Brasil.

Enquanto Guedes falava à imprensa anteontem, Barros interrompeu a fala do ministro por diversas vezes, repetindo "tá bom". Ele permaneceu de um lado de Guedes, enquanto o general Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo, ficava do outro.

Ramos, inclusive, colocou depois a mão sobre o ombro de Guedes para apressar a retirada do ministro. Já Barros repetia "vamos lá" no momento em que os três se afastavam dos jornalistas.

"O que procuramos evitar agora é que se adiantem temas que ainda não são consenso e com isso a gente crie um ruído que atrapalhe a articulação política. Só isso, o ministro Guedes é o ministro mais forte do governo", fez questão de ressaltar o líder do governo na Câmara.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) demonstrou irritação com uma declaração do secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, que cogitou o congelamento de aposentadorias e pensões como uma forma de financiar o Renda Brasil, programa de benefícios sociais que deveria substituir o auxílio emergencial.

Bolsonaro negou que considerasse a proposta e ainda "proibiu" comentários públicos sobre o Renda Brasil dentro do governo.

Novo imposto digital

Barros também falou sobre um dos temas que eram comentados por Guedes na entrevista. O ministro da Economia falava sobre "tributos alternativos", algo que o líder do governo admite que é consenso na articulação política no entorno de Bolsonaro.

"A outra receita que está proposta é esse imposto digital, este imposto sobre transações, que vai ser por enquanto de 0,2%. Então os R$ 1.000 do salário mínimo vão pagar R$ 2 de imposto, e não os R$ 200 e mais R$ 25", explicou Barros sobre o imposto, que vem sendo chamado de Digitax e deve incidir sobre movimentações financeiras digitais.

"Um imposto de base ampla, onde todos pagam, os informais, os ilegais e os que são formais vão pagar muito menos do que pagam hoje", afirmou o líder do governo, para quem o novo imposto é uma certeza, já que Bolsonaro quer ampliar a desoneração da folha de pagamento para alguns setores, o que acarretaria numa perda de arrecadação de R$ 100 bilhões por ano.