PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Inflação acelera a 0,86% em outubro e é a maior para o mês desde 2002

Passagens aéreas subiram 39,83% e tiveram o maior impacto individual no índice geral - Getty Images
Passagens aéreas subiram 39,83% e tiveram o maior impacto individual no índice geral Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

06/11/2020 09h05Atualizada em 06/11/2020 11h58

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a inflação oficial no país, acelerou para 0,86% em outubro, após fechar em 0,64% em setembro. A taxa registrada é a maior para um mês de outubro desde 2002, quando o indicador foi de 1,31%.

A inflação foi impulsionada pela alta de preços dos alimentos e dos transportes, com destaque para as passagens aéreas (alta de 39,83%).

No ano, a inflação acumula alta de 2,22% e, em 12 meses, de 3,92%. Com isso, ela segue abaixo do centro da meta do governo para 2020, que é de 4%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos (ou seja, podendo variar entre 2,5% e 5,5%).

Os dados foram divulgados hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e se referem às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos.

Tomate tem maior alta no mês

O grupo alimentação e bebidas subiu 1,93% em outubro e teve maior impacto (0,39 ponto percentual) sobre o IPCA. Porém, o índice mostrou desaceleração em relação a setembro, quando a alta foi de 2,28%.

A maior alta no mês passado foi do tomate (18,69%). Os índices do óleo de soja e o arroz desaceleram em relação a agosto, mas seguem em um patamar alto, com 17,44% e 13,36%, respectivamente. No levantamento anterior, o óleo de soja tinha subido 27,54% e o arroz 17,98%.

Outros itens, como frutas (2,59%), batata-inglesa (17,01%) e carnes (4,25%) também registraram variações positivas em outubro.

"Todos esses itens têm contribuído para alta sustentada dos preços dos alimentos, que foram de longe o maior impacto no índice do mês", afirma o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

Entre as quedas, destacam-se a cebola (-12,57%), a cenoura (-6,36%) e o alho (-2,65%).

Óleo de soja já subiu 78% no ano

O óleo de soja subiu de 77,69% em 2020 e é o item com a maior alta do ano, seguido do arroz, que teve um aumento de 59,48%.

Veja alguns dos itens que mais subiram no ano:

  • Óleo de soja: 77,69%
  • Arroz: 59,48%
  • Feijão-macáçar (fradinho): 58,49%
  • Limão: 50,88%
  • Abobrinha: 50,49%
  • Tomate: 49,01%
  • Morango: 41,96%
  • Tainha: 38,35%
  • Feijão preto: 37,71%
  • Laranja lima: 36,60%

Passagens aéreas disparam em outubro

O grupo de transportes (1,19%) foi responsável pelo segundo maior impacto na inflação de outubro (0,24 ponto percentual). As passagens aéreas (39,83%) tiveram o maior impacto individual no índice geral, contribuindo para 0,12 ponto percentual.

"A alta nas passagens aéreas parece estar relacionada à demanda, já que com a flexibilização do distanciamento social, algumas pessoas voltaram a utilizar o serviço, o que impacta a política de preços das companhias aéreas", explica Pedro Kislanov.

Todas as regiões pesquisadas registraram aumento das passagens, variando de 21,66% em Porto Alegre até 49,71% em Curitiba.

A segunda maior contribuição nos transportes (0,04 p.p.) foi da gasolina, cujos preços subiram 0,85%, desacelerando em relação à alta de 1,95% observada no mês anterior.