PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Preço de alimentos pesa para o consumidor, mas ajuda governos a ganhar mais

Óleo de soja foi o recordista no aumento de preço em 12 meses, segundo o IBGE - Getty Images
Óleo de soja foi o recordista no aumento de preço em 12 meses, segundo o IBGE Imagem: Getty Images

Giulia Fontes

Do UOL, em São Paulo

06/08/2021 04h00

O aumento nos preços internacionais das commodities - grupo que inclui produtos agropecuários como carne, soja, milho e arroz, por exemplo - tem provocado dois efeitos distintos no Brasil. De um lado, a alta tem contribuído para que os produtos fiquem mais caros também nas gôndolas dos supermercados. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o recordista de aumento foi o óleo de soja, que teve alta de 83,79% no acumulado de 12 meses até junho.

Enquanto os consumidores pagam mais por alimentos básicos, porém, Estados e governo federal se beneficiam. Na União, por exemplo, a arrecadação de impostos teve aumento real de 24,49% no primeiro semestre de 2021 na comparação com o mesmo período do ano passado. É a maior arrecadação da série histórica, iniciada em 2007. Outros fatores também contribuíram, mas a alta nos preços teve participação no crescimento do valor.

Por que o mercado internacional afeta quanto você gasta

O preço das commodities interfere no valor de produtos no mercado interno mesmo que eles sejam produzidos por aqui.

Igor Cavaca, gestor de investimentos da corretora Warren, afirma que as commodities são produtos globais, com demanda no mundo todo. E, no caso brasileiro, além do preço mais alto, o dólar valorizado tem deixado as exportações atrativas para os produtores.

Dado que o mercado internacional está demandando e está pagando mais, o produtor vai preferir vender para fora. Isso diminui a quantidade de produto no mercado interno, mesmo que ele seja produzido dentro do Brasil [o que acaba aumentando o preço].
Igor Cavaca

Efeito em cadeia e outros custos

O dólar alto também acaba elevando o preço de insumos, já que muitos deles são comercializados com a moeda norte-americana. A soja, por exemplo, é usada para alimentação de rebanhos. O preço do petróleo, outra commodity em alta, interfere no valor do diesel, utilizado no transporte das mercadorias.

Tudo isso se soma a outros fatores que estão pressionando os preços, como a crise hídrica, que afeta o custo da energia, e a geada, que afetou a produção no Centro-Sul do país.
Wagner Parente, CEO da BMJ Consultores Associados

Alta dos alimentos

Veja os alimentos que mais subiram de preço no acumulado de 12 meses, segundo o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de junho:

  1. Óleo de soja - 83,79%
  2. Feijão fradinho - 48,19%
  3. Peito bovino - 47,74%
  4. Arroz - 46,21%
  5. Músculo - 46,06%
  6. Paleta bovina - 45,54%
  7. Costela bovina - 45,22%
  8. Lagarto redondo - 44,14%
  9. Lagarto comum - 40,6%
  10. Acém - 40,11%

Fonte: IBGE

Como o governo ganha com isso

Segundo José Augusto de Castro, presidente executivo da AEB (Associação do Comércio Exterior do Brasil), o efeito do aumento das vendas para o exterior sobre a arrecadação dos governos é indireto, já que não existe um tributo específico cobrado sobre a exportação de commodities.

A arrecadação do governo sobe por causa do mercado interno. Quando há aumento da exportação, as empresas e produtores geram mais receita, e vão usar esse dinheiro comprando outras coisas dentro do país.
José Augusto de Castro

Em julho deste ano, segundo dados divulgados pelo Ministério da Economia, houve alta de 37,5% na média diária de exportações, na comparação com o mesmo mês de 2020.

No caso do governo federal, também contribuem para o aumento da arrecadação o adiamento de alguns impostos por causa da pandemia da covid-19; e a própria recuperação econômica. Como 2020 foi um ano muito ruim, é natural que 2021 apresente números melhores.

Estados também ganham

O efeito ocorre também nos governos estaduais. Segundo levantamento da Febrafite (Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais), feito a pedido do jornal "O Estado de S. Paulo", Mato Grosso - que é produtor de alimentos - foi o que mais teve aumento na arrecadação durante os cinco primeiros meses de 2021, na comparação com o mesmo período de 2019 (alta de 41,2%).

Wagner Parente, da BMJ Consultores Associados, afirma que o aumento das exportações dinamiza a economia, mas que, mesmo com os recordes de impostos, a situação das contas públicas, especialmente do governo federal, ainda é complicada. "Precisamos ter em mente que o déficit público não arrefeceu", diz.

Por que os preços internacionais subiram?

A alta no preço das commodities é atribuída por analistas à pandemia. Em 2020, houve desorganização de cadeias de produção, com paralisação de atividades, o que gerou desequilíbrio nos mercados do mundo todo.

Para reanimar a economia, muitos governos e entidades privadas iniciaram um movimento de grandes investimentos. Tudo aconteceu de uma forma muito brusca, aumentando a demanda sem que houvesse oferta suficiente [o que aumentou o preço].
Igor Cavaca

Por isso, o aumento de preços é um problema mundial, que não atingiu só o Brasil.

A inflação mais alta é uma realidade mundial. Ou o empresário paga o preço [mais caro] ou não tem produção.
José Augusto de Castro

PUBLICIDADE