PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Coca x Pepsi, Nike x Adidas e mais: os bastidores de 10 brigas bilionárias

Burger King e MxDonald"s têm histórico de provocações; veja rivalidades bilionárias - Reprodução
Burger King e MxDonald's têm histórico de provocações; veja rivalidades bilionárias Imagem: Reprodução

Gabrielle Pedro

Colaboração para UOL

15/08/2021 04h00

A competição e a concorrência são alguns dos principais desafios com que os empreendedores precisam lidar quando pensam em abrir um negócio. Para as grandes empresas, que valem bilhões de dólares, isso não é diferente. Inclusive, algumas delas até se beneficiam dessa rivalidade com outras marcas para tentar impulsionar suas vendas.

Com base no ranking global recém-divulgado pela empresa de pesquisas de mercado Kantar, o UOL listou quais são as empresas mais valiosas do momento que travam batalhas bilionárias com suas concorrentes em diferentes setores. O valor das empresas é o de marca, segundo levantamento da Kantar, e não de mercado.

Confira abaixo:

1 - Amazon (US$ 683 bilhões) x Walmart (US$ 59 bilhões)

As gigantes do varejo lutam há anos para se destacarem em relação às outras. Atualmente, essa vantagem é da Amazon, que é considerada a marca mais valiosa do mundo, avaliada em US$ 683,852 bilhões - equivalente ao PIB da Polônia. Já o Walmart está na 30ª colocação no ranking mundial de 2021, com US$ 59,522 bilhões.

Embora o Walmart esteja no mercado desde 1962, a Amazon, que surgiu em 1994, vem conquistando parte do público da rival. Essa grande diferença de posições acontece porque enquanto o Walmart se destaca por suas vendas em lojas físicas, a Amazon se consolida como uma potência em vendas online - e, indo além, já tem lojas físicas recheadas de tecnologias nos Estados Unidos.

A pandemia impulsionou o crescimento da marca fundada por Jeff Bezos e que começou como uma livraria. Segundo a pesquisa, a Amazon está valendo 64% mais do que no ano passado. Já o Walmart, que inicialmente se caracterizava como uma mercearia, está 30% mais valioso.

Apesar da antiga rivalidade entre as duas no setor, o valor de mercado do Walmart já foi ultrapassado por outras grandes varejistas, o Alibaba e o The Home Deport.

2 - Apple (US$ 611 bilhões) x Samsung (US$ 46 bilhões)

A briga no setor dos smartphones é dominada pela rivalidade entre a Apple e a Samsung desde 2008. Fundada em 1976, a Apple é considerada a segunda marca mais valiosa do mundo, valendo US$ 611,997 bilhões. Já a concorrente sul-coreana, criada em 1969, está na 42º posição mundial, com US$ 46,765 bilhões de valor de mercado.

O embate entre elas ficou mais acirrado em 2011, quando a empresa norte-americana entrou com uma ação judicial acusando a Samsung de copiar "escancaradamente" as características de design do iPhone e do iPad. À época, a Apple pediu compensação bilionária pela quebra de patentes por parte da companhia sul-coreana em smartphones e tablets vendidos entre 2010 e 2011.

Incomodada, a Samsung foi à Justiça, na mesma semana, e disse que os dois produtos da Apple infringiram 10 patentes de tecnologia móvel da Samsung. Ela pediu que a Apple parasse de copiá-la e que a compensasse por isso.

Pouco antes de se enfrentarem nos tribunais, Steve Jobs disse em uma entrevista ao jornalista Walter Isaacson que faria o que fosse possível para se sobressair ao sistema Android, utilizado pelas demais marcas de smartphones. "Eu vou gastar meu último suspiro se eu precisar, e vou gastar cada centavo dos US$ 40 bilhões da Apple no banco para corrigir esse erro. Vou destruir o Android, porque é um produto roubado. Estou disposto a ir à guerra termonuclear para isso", disse Jobs.

A briga judicial relacionada ao plágio só teve um fim em 2018, quando a Samsung foi condenada a pagar milhões de dólares à maçã. No mundo do marketing, as duas volta e meia se provocam em ações relacionadas a seus produtos.

3 - Visa (US$ 191 bilhões) x Mastercard (US$ 112 bilhões)

Criada em 1958, a Visa, atualmente, é a empresa de bandeira de cartões mais valiosa do mundo. Ela está na 8ª posição, com US$ 191,285 bilhões, mas, diferentemente das rivalidades anteriores, essa vantagem não é tão confortável em relação a sua maior concorrente.

A Mastercard, funda em 1966, se encontra na 10ª posição, valendo US$ 112,876 bilhões. Em 2016, a empresa de pagamentos ultrapassou a Visa, no Brasil, em número de transações. Essa conquista se deu devido à chegada de outra bandeira, a Elo, que distribuiu os consumidores e afetou o crescimento da pioneira.

Embora mundialmente a Visa seja mais valiosa, o crescimento dela neste último ano em relação a Mastercard foi menor. Enquanto ela subiu 2% seu valor de mercado, a Mastercard subiu 4%.

Além delas, outras bandeiras de destaque são American Express e Discover Network - essa última não atua no Brasil.

4 - McDonald's (US$ 154 bilhões) x Burger King (US$ 6 bilhões)

Quando se fala em rivalidade no setor do fast food, não tem como não pensar em McDonald's e Burger King, já que essa guerra começou na década de 1980. Embora a marca que faz menção a um rei tenha surgido primeiro, em 1954, sua concorrente, criada um ano depois, conseguiu avançar de forma mais poderosa.

O McDonald's obteve tanto êxito na rivalidade que é considerada a nona empresa mais valiosa no mercado global em 2021, valendo US$ 154,921 bilhões. Enquanto isso, o Burger King, que vale US$ 6,7 bilhões, não está nem entre as 100 empresas mais bem colocadas em valor de mercado.

Apesar disso, o Burger King nunca deixou de lutar pelo seu espaço e sempre que pode tenta atacar sua rival com propagandas. Como no Brasil a primeira filial do Burger King só surgiu em 2004, essa disputa não era tão acentuada como nos Estados Unidos, onde a empresa produzia comerciais claros dizendo que os hambúrgueres deles eram melhores que o do outro restaurante.

Entre as estratégias mais ousadas feitas pela marca está a relacionada ao filme "It: A Coisa". O Burger King da Alemanha aproveitou a estreia mundial do longa, que aborda a história de um palhaço do mal, para listar os motivos de não se confiar nesse tipo de personagem. Já o McDonald's opta por ações mais voltadas aos seus próprios valores em seu marketing.

5 - Coca-Cola (US$ 87 bilhões) x Pepsi (US$ 13 bilhões)

Outra grande luta de marketing é travada por duas empresas com produtos muito similares: a Coca-Cola e a Pepsi.

Originalmente lançada como Brad's Drink, em 1893, o refrigerante de Caleb Davis Bradham teve mais um nome antes de se consagrar como Pepsi, em 1961. Nesse período, a marca crescia como uma possível grande concorrente da Coca-Cola, que surgiu em 1886.

Essa disputa começou oficialmente em 1979, quando a Pepsi passou a divulgar propagandas criticando a adversária de forma clara e pedindo ao público para não consumirem Coca-Cola. Além de crianças pisando nas latinhas, a marca usou chimpanzés para mostrar sua suposta superioridade.

O fato é que hoje, pelo menos, essa supremacia não se confirma. Conforme a pesquisa, a Coca é a 16ª empresa mais valiosa do mundo, avaliada em US$ 87,604 bilhões, enquanto a Pepsi vale US$ 13,742 bilhões.

6 - Nike (US$ 83 bilhões) x Adidas (US$ 22 bilhões)

Nike e Adidas são consideradas as maiores empresas de vestuário esportivo atualmente. Essa informação se confirma tendo em vista que a Nike é a 17ª maior marca do mundo e a Adidas, que é a segunda colocada do mesmo ramo, está na 79ª colocação. A norte-americana é avaliada em US$ 83,709 bilhões e a alemã em US$ 22,344 bilhões.

A vencedora atual do setor veio ao mundo em 1954, sete anos após o lançamento da Adidas. À época, a marca era conhecida como Blue Ribbon Sports, mas em 1964 passou a atender como Nike, usando o nome da deusa grega da vitória como inspiração. A partir daí, a empresa parou de importar tênis do Japão e assumiu a fabricação própria dos produtos.

Até meados dos anos de 1970, a Adidas, que era muito procurada por atletas de basquete, se manteve na primeira colocação sem qualquer rixa declarada com a adversária. Na verdade, sua pior "inimiga" era a Puma, que era mais usada por profissionais de futebol.

A Nike tinha objetivos maiores e decidiu arriscar também no basquete, esporte mais praticado nos Estados Unidos, com Michael Jordan. O jogador se tornou uma lenda do esporte e também da marca, que criou o icônico Air Jordan em homenagem a ele.

O crescimento da companhia foi tanto que em 1987 a empresa triplicou as vendas em relação a Adidas, que se viu pressionada a investir em marketing.

7 - Instagram (US$ 82 bilhões) x TikTok (US$ 43 bilhões)

Ao contrário das anteriores, a rivalidade entre o Instagram e o TikTok é muito recente. Criada em 2016, a empresa chinesa começou a ganhar impulso em 2020, fazendo com que a empresa de Mark Zuckerberg reformulasse suas ferramentas de produção de conteúdo, algoritmos e engajamento.

O TikTok é uma empresa menos valiosa que a sua concorrente, já que está na 45ª colocação, com valor de US$ 43,516 bilhões - o Instagram está em 18º, com US$ 82,904 bilhões. Porém, é bom ressaltar que a marca existe há cinco anos e já custa mais da metade da rede social conhecida inicialmente por compartilhar fotos e que surgiu no início da década passada.

Como sempre que aparece um concorrente, Zuckerberg não quer que suas plataformas caiam no esquecimento. Por isso, fez questão de criar o Reels, uma ferramenta de produção e edição de vídeos muito semelhante ao TikTok. Essa mesma abordagem já foi feita em 2016, quando lançou o Stories para competir com o Snapchat.

8 - Louis Vuitton (US$ 75 bilhões) x Chanel (US$ 47 bilhões)

Louis Vuitton e Chanel é mais uma dupla que dispensa campanhas publicitárias de ataque à concorrência. Um dos fatores que motiva isso é o fato de serem destinadas ao público de luxo, que enxerga ambas como produtos colecionáveis. Além disso, as duas marcas possuem designers distintos.

Hoje, ambas estão na lista de mais valiosas do mercado de luxo, sendo a Louis Vuitton a 21ª colada com US$ 75,730 bilhões, com a Chanel na 40ª posição, avaliada em US$ 47,054 bilhões.

Hermès, Gucci, Prada, Dior e Burberry se somam à lista desse segmento.

9 - Netflix (US$ 71 bilhões) x Disney (US$ 55 bilhões)

Essa briga também é um tanto recente considerando que a Netflix surgiu no setor dos streamings em 2007 e a Disney Plus, em 2019, nos Estados Unidos. Mas, neste caso, vale lembrar que a Disney possui um canal de televisão que está no ar desde 1983.

Ao contrário dos demais, não existe uma disputa clara entre eles em propagandas ou posicionamentos contra o outro, mas os números sobre valor de mercado podem sugerir algo.

Segundo a pesquisa, a Netflix é a 24ª marca mais valiosa no mercado internacional, valendo US$ 71,126 bilhões. Já a Disney está no 33º lugar, com o valor de US$ 55,217 bilhões.

Outras empresas como Amazon Prime Video, HBO Max, Apple TV + e, aqui no Brasil, Globoplay, também lutam por seu espaço, mas ainda ficam atrás das duas primeiras.

10 - Mercedes (US$ 25 bilhões) x BMW (US$ 24 bilhões)

Também ligada ao setor de luxo estão as duas marcas alemãs de carros: Mercedes-Benz e BMW (Bayerische Motoren Werke). Fundada em 1926, a multinacional de Karl Benz é mais valiosa do momento na 67ª posição, valendo US$ 25,835 bilhões na lista global. Quatro colocações abaixo está a BMW, com US$ 24,821 bilhões.

Apesar de concorrentes, elas se mostram amistosas em suas campanhas de marketing. Em 2019, contudo, a BMW dos Estados Unidos provocou diretamente a concorrente em uma postagem no Twitter no Dia das Bruxas.

A empresa criou uma montagem com um carro da Mercedes se cobrindo com uma espécie de fantasia da BMW e disse: "Agora todo carro pode se vestir como seu super-herói favorito".

Horas depois, a rival respondeu: "Boa, BMW USA. É realmente uma fantasia assustadora. Especialmente a grade do radiador".

PUBLICIDADE