PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

"Só salário mínimo não aumenta!", diz cliente de bar sobre alta da cerveja

Thalita Arrans (35), marketeira; Márcio Donavan (50), servidor público; e Taís Madruga (35), diretora de informação - Vinícius de Oliveira/UOL
Thalita Arrans (35), marketeira; Márcio Donavan (50), servidor público; e Taís Madruga (35), diretora de informação Imagem: Vinícius de Oliveira/UOL

Vinícius de Oliveira

Colaboração para UOL, em São Paulo

30/09/2021 12h44

Depois do aumento dos preços dos alimentos, agora é a vez da cerveja pesar no bolso do consumidor. A Ambev anunciou que marcas como Skol, Brahma, Antarctica, Bohemia, Original e Stella Artois ficarão mais caras a partir de sexta-feira, 1º de outubro.

A notícia chegou como água no chope para bares e restaurantes da Vila Madalena, principal reduto boêmio da cidade de São Paulo. Gerentes e donos dos estabelecimentos se dividiram entre repassar os custos para os clientes, que ainda não voltaram a frequentar a região como antes, e tentar segurar os preços.

A Ambev não revelou qual será o aumento nos preços, mas a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) falou, em nota, que os clientes deverão observar um aumento de 10%. A mudança de preço, conforme disse a Ambev, varia dependendo da região. No acumulado dos últimos 12 meses, a cerveja já viu o preço aumentar 7,62%, segundo o IPCA.

José Carlos (53), proprietário do Ponto X, um boteco localizado na Rua Aspicuelta, acredita que o consumo deve cair. "Vai impactar nas vendas, com certeza. As pessoas já não estão saindo muito de casa. Se sobe o preço, diminui o consumo", afirmou. O bar, que costumava ficar lotado em dias de jogos, tinha apenas três clientes para acompanhar a semifinal da Libertadores entre Flamengo e Barcelona do Equador, na noite de ontem, 29.

Gustavo Diniz (28), publicitário - Vinícius de Oliveira/UOL - Vinícius de Oliveira/UOL
Gustavo Diniz (28), publicitário: "só não aumenta o salário mínimo"
Imagem: Vinícius de Oliveira/UOL

Entre eles estava o publicitário Gustavo Diniz (28), que descobriu sobre o aumento ao falar com o UOL. "Estou indignado! Aumenta o cigarro, aumenta a cerveja? Só salário mínimo não aumenta! Beber em casa vai ficar mais caro também?", declarou. Apesar de já ter colocado um freio no consumo de bebidas alcoólicas, o jovem ficou preocupado com o orçamento no fim do mês.

"Eu tenho deixado para beber somente aos fins de semana, mesmo. Mas, quando eu bebo, eu bebo bastante. 10% de muita cerveja é muito aumento. Para mim, provavelmente vai fazer diferença. Acho que vou ter que ficar no suco", afirmou.

A solução para economizar é ser criativo, segundo os amigos Thalita Arrans (35), Márcio Donovan (50) e Taís Madruga (35). Antes de entrarem em um dos bares mais movimentados da região, eles encontraram um chope sendo vendido a R$ 2,99 na esquina. O jeito foi fazer o famoso "esquenta", para segurar o impacto da cerveja no bolso.

"A gente quer sair para se divertir e, para se divertir, você já paga [couvert artístico]. E ainda vamos pagar mais caro na bebida. Acho um absurdo, desse jeito, dificulta girar a economia", disse Thalita. "Se tiver fora de alcance, vamos ter que voltar para casa, juntar os amigos e fazer a nossa festa que cabe no bolso com toda alegria e diversão", completou Donavan.

Motorista da rodada, Taís contou que pagou R$ 10,90 em uma cerveja sem álcool e lamentou a política de preços da Ambev. "Tem que beber água ou trazer a cerveja de casa. Tomar cerveja quente", disse rindo de indignação. "Você não pode vir de carro, porque você vai beber. Só que também está super difícil de encontrar motorista pelo Uber, o que já dificulta a gente de sair. A gente não acha carro para voltar", explicou Thalita.

Bares apostam em música para atrair clientes

A falta de frequentadores se reflete no quadrilátero mais famoso da Vila Madalena: o entroncamento entre a R. Aspicuelta e a R. Fidalga, com três bares famosos. O Quitandinha era o único com alguns clientes, enquanto o Seu Domingos estava praticamente vazio e o Dona Nina estava fechado por falta de público.

Mas, se o futebol já não é um grande atrativo para fazer as pessoas irem aos bares com amigos, a música pode ser um motivador para fazer as pessoas saírem de casa. Lugares com o Boteco Todos Os Santos e o Patriarca Bar apostam em apresentações de grupos ao vivo para atrair a clientela — e eles eram os únicos da região com grande concentração de pessoas.

Jackson Felipe (36), gerente do Patriarca, contou que o estabelecimento a princípio deve segurar o aumento para não perder público. "A gente tem contrato com a Ambev. Quanto mais cerveja vende, menos pagamos. Se continuarmos com esse benefício, dá para manter o valor", afirmou enquanto servia uma mesa. Lá, o chope Brahma pode ser encontrado por R$ 9,60, mas há cervejas artesanais que custam até R$ 24.

Restaurantes também lamentam o aumento

Marcelo Araújo, gerente do Baião Cozinha Nordestina - Vinícius de Oliveira/UOL - Vinícius de Oliveira/UOL
Marcelo Araújo, gerente do Baião Cozinha Nordestina
Imagem: Vinícius de Oliveira/UOL

Assim como os bares, restaurantes da região acreditam que o aumento do preço das bebidas pode impactar nas vendas. Eles também devem evitar o repasse aos clientes, acreditando na retomada do consumo. Marcelo Araújo (37), gerente do Baião Cozinha Nordestina, disse que a rede não vai aumentar os preços.

"Não foram só as bebidas que aumentaram. Teve água, luz, carne? Está aumentando tudo e diminuindo o lucro. A gente não consegue repassar o valor para o cliente, senão acaba perdendo clientela. Mas se aumentar o preço dos demais produtos, seremos obrigados a repassar", afirmou.

De acordo com Araújo, o restaurante espera receber mais clientes nos próximos meses, conforme a vacinação avança no estado de São Paulo. "A gente acredita que vai ter uma volta muito grande, de uma vez. As pessoas estão querendo voltar [a sair]. O movimento aumenta todo dia, mas ainda não chegou ao nível pré-pandemia. E acredito que vai demorar para chegar", disse.

PUBLICIDADE