PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Chuva faz Vale suspender operação de trem de passageiros na rota BH-Vitória

Trem de passageiros da Vale interrompeu a circulação nos dois sentidos após chuvas na região de Minas Gerais - Divulgação/Vale
Trem de passageiros da Vale interrompeu a circulação nos dois sentidos após chuvas na região de Minas Gerais Imagem: Divulgação/Vale

Do UOL, em São Paulo

10/01/2022 14h04Atualizada em 10/01/2022 14h45

A mineradora Vale informou hoje que suspendeu temporariamente a circulação do trem de passageiros entre Belo Horizonte (MG) e Vitória (ES) após chuvas que castigam Minas Gerais —145 cidades declararam situação de emergência. A circulação do trem foi paralisada nos dois sentidos.

Considerando as dez mortes em Capitólio pela queda de um paredão de rocha, são 19 óbitos desde outubro, início do período chuvoso.

Em comunicado, a Vale afirmou que as atividades do trem seriam suspensas "visando garantir a segurança dos passageiros e equipe de operação".

Os passageiros afetados podem remarcar ou cancelar suas passagens em até 30 dias, sem o pagamento de multa.

Chuvas também paralisam mineradoras

O nível elevado de chuvas em Minas Gerais forçou a Vale a paralisar parcialmente a produção dos Sistemas Sudeste e Sul. Apesar da medida, a mineradora manteve sua meta de produção de 320 milhões a 335 milhões de toneladas de minério de ferro para 2022.

O mesmo aconteceu com Usiminas, CSN e Vallourec. No final de semana, parte da BR-040 foi interditada após o transbordamento de um dique de contenção de água da mina Pau Branco, da Vallourec.

A Vale disse ainda que "não houve alteração do nível de emergência em nenhuma de suas estruturas, que são acompanhadas permanentemente por inspeções, manutenções, radares, estações robóticas, câmeras de vídeo e instrumentos, como piezômetros manuais e automáticos".

A preocupação com barragens no estado ocorre após dois desastres mortais nos últimos anos. O rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, da Vale, deixou 270 mortos em Brumadinho, em 2019. Entre as vítimas estão funcionários da Vale, moradores da região, e trabalhadores e pessoas que visitavam uma pousada nas imediações.

Em 2015, houve o rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, da Samarco, que deixou 19 vítimas.

PUBLICIDADE