PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Começa empréstimo da Caixa para quem tem nome sujo; vale a pena pegar?

Novas linhas de crédito da Caixa estão disponíveis a partir desta segunda (28) - Rob Daly/Getty Images
Novas linhas de crédito da Caixa estão disponíveis a partir desta segunda (28) Imagem: Rob Daly/Getty Images

Giuliana Saringer

Do UOL, em São Paulo

28/03/2022 04h00

Quem está com o nome sujo vai poder pedir empréstimo de até R$ 1.000 na Caixa Econômica Federal a partir desta segunda-feira (28). Para quem é MEI (Microempreendedor Individual), o crédito será de até R$ 3.000.

Para os especialistas ouvidos pelo UOL, o empréstimo pode ser vantajoso, principalmente por oferecer taxas de juros mais baixas em comparação com outras linhas do mercado. Mas vale lembrar que, por melhor que seja a oferta, tomar crédito deve sempre ser a última alternativa.

"Os benefícios da linha de crédito da Caixa são as taxas, que são relativamente baixas perto do que é historicamente praticado no Brasil, e o fato de estar disponível até para negativados. Isso é um grande diferencial", afirma Thiago Martello, educador financeiro.

A linha para negativados tem dois lados: pode ser o respiro que a pessoa precisa se reorganizar e colocar a vida financeira nos trilhos ou pode fazer com que se afunde ainda mais em dívidas.

Pensando em reorganização, pode ser interessante para quem já tem outro empréstimo com uma taxa mais alta. Graziela Fortunato, professora do IAG PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), diz que se a pessoa tem uma dívida no cartão de crédito que pode ser quitada com o empréstimo, por exemplo, vale a pena fazer a troca, em busca de juros mais baixos.

Empréstimo para MEI vale a pena?

Assim como a linha para pessoas físicas, Martello diz que a taxa é boa. "Se o empreendedor pegar o dinheiro para fluxo de caixa, é um sinal de que algo está errado com o negócio. Agora, se for como investimento para aumentar a capacidade da empresa, aí sim é interessante", afirma Martello.

Isto significa que se o empréstimo for usado para comprar máquinas ou para contratação de mais pessoas, que possam aumentar o volume de produção, e consequentemente o lucro da empresa, o empréstimo é uma boa pedida.

Agora, se for simplesmente para pagar dívidas contraídas no passado, é hora de analisar o próprio negócio e entender se não tem alguma coisa errada, seja com os preços cobrados, com o produto ou serviço oferecido e até mesmo com a forma como o empreendedor está gerenciando as finanças da empresa.

Como microempreendedores têm negócios menos rentáveis, normalmente, o risco de um empréstimo é maior do que o atrelado a empresas maiores. Isso faz com que as taxas de crédito sejam mais altas, considerando o risco que a instituição está tomando de, talvez, não receber o montante de volta.

Vamos a exemplos práticos. A Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) fez uma simulação, a pedido do UOL, que mostra o custo total de empréstimo tradicionais no mercado em comparação às novas linhas da Caixa.

As taxas de cheque especial, crédito pessoal e de cartão de crédito consideradas na simulação foram disponibilizadas pela Anefac, com base nas pesquisas de juros que realizam mensalmente.

Veja a simulação:

Quais as regras dos empréstimos da Caixa?

Podem pedir o microcrédito pessoas físicas e MEIs que exerçam atividade produtiva com renda ou receita bruta anual de até R$ 360 mil. O governo considera que as pessoas físicas são "empreendedores individuais".

O dinheiro precisa ser usado para o negócio do cidadão, para aumento do capital de giro, compra de insumos ou investimentos em equipamentos e utensílios que favoreçam o aumento da produção.

A Caixa diz que, no momento de contratação, o cliente faz uma declaração de utilização do dinheiro no seu negócio por meio de um quiz interativo sobre educação financeira e uso consciente do crédito.

Pessoa física

  • Limite de crédito: R$ 1.000;
  • Prazo de pagamento: 24 meses;
  • Juros: a partir de 1,95% ao mês (26,08% ao ano).

MEI

  • Limite de crédito: R$ 3.000;
  • Prazo de pagamento: até 24 meses;
  • Juros: a partir de 1,99% ao mês (26,68% ao ano).

Nos dois casos, a análise do crédito é feita em até 10 dias, contados a partir da atualização cadastral. Depois da aprovação, o cliente consegue contratar o valor pelo Caixa Tem e os recursos são creditados imediatamente na conta.

O empréstimo para pessoas físicas pode ser contratado pelo Caixa Tem. Quem é MEI precisa ir até uma agência da Caixa.

Como escolher um empréstimo

Se não tiver jeito e o empréstimo for a única opção, não adianta olhar só a taxa de juros na hora de contratar.

É importante avaliar várias outras pequenas taxas na hora de tomar crédito, para saber o custo efetivo total da operação.
Graziela Fortunato, professora da PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro)

Como existem várias taxas envolvidas na operação, a dica é pesquisar os valores disponíveis em diferentes instituições e comparar o custo total do crédito.

"Sempre importante fazer as simulações em várias instituições, da mesma forma que você pesquisa preços na hora que vai comprar algo novo. O empréstimo precisa ter uma taxa e um prazo adequado a sua realidade", afirma Leticia Camargo, planejadora financeira pela Planejar (Associação Brasileira de Planejamento Financeiro).

Para os especialistas, o melhor caminho é sempre tentar reorganizar as finanças para não precisar tomar nenhum tipo de crédito. O primeiro passo é entender todos os gastos e as receitas, para avaliar como o dinheiro está sendo utilizado.

"Em um momento de dificuldade financeira, é importante fazer uma restrição do consumo de supérfluos, assim é uma forma de sobrar mais dinheiro", afirma Fortunato.