PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Sindicatos de servidores do BC querem discutir reajuste com Ciro Nogueira

Edifício-Sede do Banco Central em Brasília - Marcello Casal JrAgência Brasil
Edifício-Sede do Banco Central em Brasília Imagem: Marcello Casal JrAgência Brasil

Colaboração para o UOL, em Brasília

18/04/2022 21h35

Em reunião com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, representantes de sindicatos que reúnem funcionários da instituição afirmaram que a proposta de reajuste salarial de 5% para todo o funcionalismo público federal não atende às demandas da categoria. A principal queixa é que o percentual não repõe as perdas inflacionárias nos últimos anos.

De acordo com os participantes da reunião, Campos Neto afirmou que o reajuste é um consenso do governo e foi chancelado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL). O grupo pediu para que o dirigente intermedeie uma reunião direta entre os representantes sindicais e o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, a fim de buscar uma solução.

"As entidades estão reunidas para a construção de um indicativo comum a fim de subsidiar os rumos da mobilização perante a assembleia de 19/4, às 14h. Nossa indicação será de apresentação de contraproposta e de avançar nas negociações", afirmou em nota Fábio Faiad, presidente da Sinal (Sindicato Nacional Dos Funcionários Do Banco Central).

O encontro ocorreu no mesmo dia em que entidades do setor de segurança pública se reuniram com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, para também manifestar insatisfação com a proposta, proferida pelo governo a fim de não desagradar nenhuma categoria do funcionalismo federal.

Internamente, o governo tem estudado ainda aproveitar o espaço de R$ 1,7 bilhão que existe no Orçamento para contemplar só as carreiras policiais e as demandas dos servidores da Receita Federal e do Banco Central.

Outra proposta, rejeitada pelos sindicatos, é de dar reajuste só no vale-alimentação com o R$ 1,7 bilhão previsto no Orçamento de 2020. Segundo integrantes do governo, essa medida medida beneficiaria um número maior de servidores que ganham menos.

A decisão pelo aumento de 5% foi comunicada na última quarta-feira (13) depois de Bolsonaro ter se reunido com o ministro da Economia, Paulo Guedes.