PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Cotações

Dólar dispara 4% e encosta em R$ 4,82, após indulto a Silveira; Bolsa tomba

Do UOL, em São Paulo

22/04/2022 12h02Atualizada em 22/04/2022 15h38

O dólar comercial disparava mais de 4% nesta sexta-feira (22), chegando a encostar em R$ 4,82, e a Bolsa chegava a cair quase 3%. Por volta das 15h30, a moeda norte-americana subia 4,21%, a R$ 4,815 na venda, e o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tombava 2,7%, a 111.259,56 pontos.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Afetavam o dólar e a Bolsa tanto o cenário externo quanto o interno, principalmente por causa do perdão concedido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao deputado Daniel Silveira, condenado pelo STF.

Juros mais altos nos EUA

No externo, os investidores avaliam ser cada vez mais provável que o Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) endureça sua postura para combater a inflação no país, a maior em quatro décadas, com aumento dos juros.

Juros mais altos nos EUA tendem a atrair para lá recursos hoje investidos em outros países, sobretudo os emergentes, como o Brasil. Com menos dólares aqui, a cotação da moeda sobe.

Ontem, o presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que um aumento de 0,5 ponto percentual nos juros estará "sobre a mesa" quando o Fed se reunir em maio, acrescentando que seria apropriado "agir um pouco mais rapidamente".

O dólar subia contra todas as principais moedas hoje, com exceção apenas do won sul-coreano.

Crise entre Bolsonaro e o STF

Mas o real liderava as perdas globais, o que parte dos mercados associou à notícia de que o presidente Bolsonaro anunciou um decreto concedendo perdão ao deputado Daniel Silveira por meio de uma "graça constitucional", um dia depois de o STF (Supremo Tribunal Federal) condenar o parlamentar pelos crimes de coação no curso do processo e atentado ao Estado Democrático de Direito.

A medida, vista por muitos como uma afronta ao STF, tem potencial de abrir nova crise com a cúpula do Judiciário.

Alguns participantes do mercado também citaram movimento de ajuste no preço do dólar —que havia caído acentuadamente na quarta-feira— na volta do feriado de Tiradentes.

Este conteúdo foi gerado pelo sistema de produção automatizada de notícias do UOL e revisado pela redação antes de ser publicado.

Cotações