PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Resultado das urnas será respeitado, diz Lira sobre eleição presidencial

Lira participou do Expert XP de forma remota - Mariana Pekin
Lira participou do Expert XP de forma remota Imagem: Mariana Pekin

Giuliana Saringer

Do UOL, em São Paulo

04/08/2022 19h03

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse hoje que o resultado democrático das urnas será respeitado.

"Vamos ter o resultado democrático sendo respeitado. Qualquer um que está na disputa pode ganhar. Temos que esperar e fazer com que o brasileiro escolha o modelo que representa o que a pessoa quer para sua vida", afirmou.

O deputado disse que a polarização política deve diminuir depois da eleição e que espera que o 7 de setembro, data em que se comemora a Independência do Brasil e em que o presidente Jair Bolsonaro planeja manifestações, seja um dia com uma "festa tranquila". Há o temor de que o presidente use os desfiles para insuflar sua militância e incentivar atos golpistas.

"Se tiver o 7 de setembro, vai ser uma festa tranquila. O povo pode ir sempre para as ruas, só não pode ir com violência, tumulto", afirma Lira.

Lira participou do Expert XP nesta quinta-feira (4), evento organizado pelo grupo XP em São Paulo. Lira se desculpou por não estar presencialmente no evento e disse que a agenda em Brasília impediu sua ida a São Paulo. Seu painel foi transmitido ao vivo no palco principal do evento.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de o valor do Auxílio Brasil ser mantido em R$ 600 no ano que vem, o presidente da Câmara disse que é preciso esperar a eleição do novo presidente para definir o pagamento do benefício no próximo ano. O governo Bolsonaro subiu o valor do auxílio de R$ 400 para R$ 600 apenas até o fim deste ano eleitoral.

"Se candidatos dizem que vão manter o Auxílio, como vamos fazer isso? Acho que o princípio básico é desindexar o orçamento", afirma Lira.

Hoje a maior parte do Orçamento é composta por gastos que não podem ser alterados. A sugestão de Lira é que essa estrutura seja revista.

Inflação prejudica os mais pobres

Lira afirma que a liberação de recursos para os auxílios foi necessária para dar uma vida digna aos brasileiros mais vulneráveis. Segundo Lira, a inflação "aniquila" os mais pobres.

"A inflação machuca a classe média, machuca a classe mais alta, mas aniquila os mais pobres", afirma. Em junho, o país acumulava inflação de 11,89% nos últimos 12 meses.

Apesar de os auxílios terem um papel social importante, a medida que aumentou o Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600 até dezembro, duplicou o vale-gás e criou benefícios para caminhoneiros e taxistas custou R$ 41,25 bilhões aos cofres públicos e é provisória.