IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Com R$ 43 bi em dívidas, Americanas pedem recuperação judicial

Fachada de unidade das Lojas Americanas - Mauro Pimentel/AFP
Fachada de unidade das Lojas Americanas Imagem: Mauro Pimentel/AFP

Do UOL, em São Paulo

19/01/2023 13h53Atualizada em 03/02/2023 10h56

As Americanas entraram hoje com pedido de recuperação judicial para evitar a quebra da empresa após a revelação de um rombo bilionário em seus balanços financeiros. O pedido registra que é preciso evitar "danos irreversíveis ao seu caixa, que é essencial para o funcionamento de uma grande empresa do setor varejista".

A empresa declarou dívidas de R$ 43 bilhões com um total de 16.300 credores. Até o terceiro trimestre de 2022 (dado do último balanço financeiro), a empresa informava um endividamento bruto de R$ 19,3 bilhões.

Pela manhã, a empresa tinha revelado estar com apenas R$ 800 milhões em caixa, dos quais "parcela significativa" estava "injustificadamente indisponível para movimentação".

Por meio de nota, as Americanas informaram que seguirão "operando normalmente dentro das novas regras da recuperação judicial, cujo um dos objetivos principais é a própria manutenção de empregos, pagamento de impostos e a boa relação com seus fornecedores e credores e investidores de forma geral".

Entenda a crise das Americanas

  • O ex-CEO da empresa Sérgio Rial ficou apenas dez dias no cargo e pediu demissão após revelar um rombo contábil de R$ 20 bilhões na empresa
  • No dia 13, as Americanas conseguiram uma proteção liminar contra credores e a Justiça deu 30 dias para a empresa decidir se pedirá ou não recuperação judicial, citando uma dívida potencial de R$ 40 bilhões.
  • A agência S&P rebaixou a nota de risco de crédito das Americanas para "D", de default (calote).
  • Bancos conseguiram reverter a decisão liminar e, em razão da falta de avanço nas negociações com credores, as Americanas decidiram pelo caminho da recuperação judicial.
  • BTG Pactual, Bradesco e Santander Brasil estão entre os mais expostos à dívida da varejista.
  • A CVM abriu investigações para apurar o escândalo contábil. Um grupo de acionistas minoritários também entrou na Justiça pedindo indenização e dizendo que a empresa "manipulou fatos e dados".
  • Para justificar o pedido de recuperação judicial, a empresa diz que todo o seu caixa 'vem sendo dragado' pelos bancos e que sem a proteção contra credores há risco de 'absoluto aniquilamento do fluxo de caixa' do grupo, o que impedirá o pagamento de fornecedores e funcionários.
  • A empresa afirma manter mais de 100 mil empregos diretos e indiretos, e reunir 3.600 estabelecimentos no país.

Próximos passos

  • As Americanas agora aguardam o atendimento ou não do pedido de recuperação.
  • A petição foi protocolada na 4ª Vara Empresarial da Comarca do Rio de Janeiro. Veja as justificativas.
  • A empresa pediu prazo de 48 horas para apresentação da lista completa de credores. Após a aprovação do pedido, ela tem 60 dias para apresentar um plano de recuperação e demonstrar sua viabilidade financeira.
  • Se o pedido for negado, as Americanas podem ter sua falência decretada.
  • Caso o pedido seja aceito, todas as cobranças feitas às Americanas serão suspensas por 180 dias.
  • O juiz responsável pelo caso nomeará um administrador judicial para conduzir o processo de recuperação.