IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Petrobras anuncia redução no preço do diesel, gasolina e gás; veja valores

Do UOL, em São Paulo

16/05/2023 11h24Atualizada em 16/05/2023 13h27

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, anunciou que os preços da gasolina, diesel e GLP (gás liquefeito de petróleo, o gás de cozinha) vão cair para as distribuidoras a partir de amanhã. Mais cedo, a estatal anunciou uma nova política para precificação de combustíveis nas refinarias e o fim da paridade de importação.

Confira como ficarão novos preços

Gasolina: de R$ 3,18 para R$ 2,78 por litro (redução de R$ 0,40, queda de 12,6%)

Diesel: de R$ 3,46 para R$ 3,02 por litro (redução de R$ 0,44, queda de 12,8%)

GLP: de R$ 3,22 para R$ 2,53 por quilo (redução de R$ 8,97 por botijão de 13 kg, queda de 21,3%)

Continua não tendo [intervenção do governo]. [...] O que estamos garantindo é menos volatilidade, menos sujeição a volatilidade especulativa internacional. Vamos ter o efeito da referência internacional, mas vai estar refratado em uma série de possibilidades nacionais
Jean Paul Prates, presidente da Petrobras

Preço para distribuidoras não é o preço final para o consumidor

Repasse de preço depende de cada revendedor. O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou que, no posto, o litro da gasolina deve cair, em média, de R$ 5,49 para R$ 5,20; o diesel S10, de R$ 5,57 para R$ 5,18.

Botijão de gás deve ficar abaixo dos R$ 100 pela primeira vez desde outubro de 2021. Segundo Prates, com preço médio ficará em em R$ 99,87 o botijão de 13 kg.

O que o presidente da Petrobras disse

Estamos abrasileirando os preços da Petrobras. Se posso produzir com custos brasileiros, em território nacional, usando para esse efeito a autossuficiência conquistada pelo país, por vários heróis, pessoas, estadistas, regimes diferentes, políticos preservaram a luta pela autossuficiência em petróleo; ela precisa valer alguma coisa, e fica refletida nesse momento da Petrobras.

Isso é volta ao passado? Não necessariamente. Pode parecer, mas não é. Não estamos afastando o efeito da referência internacional, mas estamos colocando um filtro que a Petrobras consegue fazer, com sua capacidade de refino autóctone, para amortecer esses efeitos.

Nova política maximiza vantagens competitivas, vamos usar as vantagens que a Petrobras tem a nosso favor e a favor do país, sem se afastar da referência internacional dos preços.

Nova política de preços

Petrobras anunciou hoje nova política de preços para os combustíveis no Brasil. Desde outubro de 2016, a empresa calculava o preço dos combustíveis com base em valores do mercado internacional, o que aumentou nos últimos anos a frequência dos repasses de preços aos consumidores.

Abandono do PPI (Paridade de Preços Internacional). Por essa regra, o dólar e a cotação do petróleo influenciam diretamente o preço da gasolina e do diesel vendidos no Brasil.

Os reajustes continuarão sendo feitos sem periodicidade definida. Mas, segundo a companhia, o objetivo é evitar o repasse das cotações internacionais e da taxa de câmbio para os preços internos.

Empresa não deixou claro a regra que irá balizar os preços a partir de agora. Segundo comunicado enviado nesta terça-feira, a nova política de preços vai usar "referências de mercado" como o custo alternativo do cliente, valor a ser priorizado na precificação, e valor marginal para a Petrobras. "O custo alternativo do cliente contempla as principais alternativas de suprimento, sejam fornecedores dos mesmos produtos ou de produtos substitutos, já o valor marginal para a Petrobras é baseado no custo de oportunidade dadas as diversas alternativas para a companhia dentre elas, produção, importação e exportação do referido produto e/ou dos petróleos utilizados no refino", afirmou.