IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

PPI era 'abstração, mentira e crime contra povo', diz ministro da Energia

Do UOL, em São Paulo

16/05/2023 11h25Atualizada em 16/05/2023 13h28

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, comemorou nesta terça-feira (16) a mudança na política de preços na Petrobras. A estatal anunciou hoje o fim do modelo de PPI (Preços de Paridade de Importação) usado até então, chamando-o de "uma abstração, mentira e um crime contra o povo".

O que ele disse?

O PPI criado em 2017, 2018, era uma abstração, uma mentira e um crime contra o povo, impunha uma algema, uma mordaça a uma política de competitividade interna dos preços.
Alexandre Silveira, ministro de Minas e Energia

O ministro também defendeu que haverá menor variação nos preços dos combustíveis no Brasil. "[A paridade de preços] vinha fazendo com que muitas vezes as oscilações fossem muito acima daquilo que seria possível para contribuir com o crescimento nacional", disse Silveira, ao lado de Jean Paul Prates, presidente da Petrobras.

Silveira destacou que decisão da Petrobras é interna. "Enxergamos a Petrobras como empresa de capital aberto, listada em Bolsa, que tem sua governança própria e que toma suas decisões de forma autônoma e independente, mas nós do governo temos uma visão clara do que é melhor para o Brasil", disse.

"Função social" da empresa também foi abordada. "O governo liderado pelo presidente Lula tem defendido publicamente que nós devemos ter uma política nacional de competitividade interna, que as empresas sejam vistas como indutoras do crescimento nacional, que tenham seu papel de governança mas tenham também sua visão social, que está previsto na Lei de Estatais."

"Petrobras de forma alguma vai deixar de ser atrativa". Para Silveira, essa é uma preocupação comum ao mercado financeiro em relação a práticas de segurar aumentos nos combustíveis feitos no passado, especialmente durante o governo de Dilma Rousseff, que trouxeram prejuízos à estatal.

"Era hora de abrasileirar preços dos combustíveis, de sinalizar de forma clara que o governo Lula vai cobrar de todas as empresas que cumpram com o seu papel social, compreendendo que elas têm que ser competitivas, lucrativas, atrativas para investidores - e a Petrobras de forma alguma vai deixar de ser lucrativa.
Alexandre Silveira

O que a Petrobras anunciou hoje?

Petrobras disse que vai adotar uma nova estratégia para definir os preços do diesel e da gasolina no Brasil. Desde outubro de 2016, a empresa calculava o preço dos combustíveis com base em valores do mercado internacional. A empresa também aumentou a frequência dos repasses de preços aos consumidores.

Esse modelo é chamado de PPI (Paridade de Preços Internacional). Por essa regra, o dólar e a cotação do petróleo influenciam diretamente o preço da gasolina e do diesel vendidos no Brasil.

A nova estratégia comercial significa o fim da PPI. Os reajustes continuarão sendo feitos sem periodicidade definida. Mas, segundo a companhia, o objetivo é evitar o repasse das cotações internacionais e da taxa de câmbio para os preços internos.

A empresa, porém, não deixou claro como isso será feito. Segundo comunicado enviado nesta terça-feira, a nova política de preços vai usar "referências de mercado como o custo alternativo do cliente, como valor a ser priorizado na precificação, e o valor marginal para a Petrobras".