Conteúdo publicado há 9 meses

Heineken vende operação na Rússia por um euro e deixa país

A Heineken anunciou hoje que concluiu a venda das operações na Rússia para o grupo Arnest, que pagou um euro (o equivalente a R$ 5,46) por todas as ações da cervejaria.

O que aconteceu

Heineken diz que vai arcar com prejuízo de 300 milhões de euros (R$ 1,5 bilhão) por transação. A marca vinha tentando deixar o país de Vladimir Putin desde março de 2022, pouco depois da invasão da Ucrânia.

Além da própria Heineken, que não é vendida no país desde o ano passado, a produção da cerveja Amstel também será interrompida em solo russo. A Heineken tinha sete cervejarias na Rússia e 1.800 funcionários. Eles receberão garantias de emprego pelos próximos três anos.

O comprador, o grupo Arnest possui um importante negócio de embalagens de latas. É o maior fabricante russo de aerossóis, além de vender cosméticos e utensílios domésticos.

"Embora tenha demorado muito mais do que esperávamos, a transação garante o sustento dos nossos empregados e nos permite sair do país de maneira responsável", disse o CEO da Heineken, Dolf van der Brink, em nota. "Desenvolvimentos recentes demonstram os desafios significativos enfrentados pelas grandes empresas industriais ao saírem da Rússia", disse ele em comunicado.

Outras empresas também deixaram o país

Desde o início da guerra com a Ucrânia, há confusão sobre o que empresas estrangeiras podem fazer no país. As sanções ocidentais limitam o número de possíveis compradores.

A cervejaria não é a primeira a fazer um acordo desse tipo para deixar a Rússia. A Renault vendeu a parte dela em uma joint venture por um rublo ao governo russo, e o McDonald's entregou 800 lojas a um empresário siberiano por um "valor simbólico".

Algumas empresas estrangeiras que tentam sair da Rússia enfrentam um grande salto nos custos. Moscou exige descontos maiores nos preços dos ativos que pretendem vender, disseram três pessoas com conhecimento do assunto.

Continua após a publicidade

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou um decreto em julho para assumir o controle da subsidiária da Danone no país. Também assumiu a participação da Carlsberg em uma cervejaria local.

A Anheuser-Busch InBev também disse que planeja sair de sua joint venture na Rússia com a turca Efes.

Deixe seu comentário

Só para assinantes