'R$ 15 mil do Auxílio-Brasil': Quem recebe a indenização por vazamento?

O Instituto Sigilo, oficialmente conhecido como Instituto Brasileiro de Defesa da Proteção de Dados Pessoais, Compliance e Segurança da Informação, lançou um novo portal dedicado à verificação das informações dos beneficiários do extinto programa Auxílio Brasil. Esse portal possibilita que os beneficiários verifiquem se seus dados pessoais foram comprometidos e se têm direito a receber compensação.

Ação judicial e vazamento de dados

O Instituto Sigilo ingressou com uma ação judicial relacionada ao vazamento de informações, alegando que os dados de cerca de 4 milhões de pessoas que receberam o Auxílio Brasil em 2022 foram divulgados de forma indevida. Essas informações incluem dados de cidadãos de mais de 4 mil municípios. Em setembro, a 1ª Vara Cível Federal de São Paulo acatou a solicitação do Instituto Sigilo e determinou o pagamento de R$ 15 mil a título de danos morais a cada pessoa afetada. As entidades responsáveis pelo pagamento incluem a União, a Caixa Econômica Federal, a Dataprev e a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados). Entretanto, a Caixa Econômica Federal recorreu da decisão, conforme declarado em comunicado oficial.

Consulta e possível pagamento

Os beneficiários podem acessar o portal em sigilo.org.br e selecionar a opção "Conferir se tenho direito", localizada no início da página. É necessário fornecer informações pessoais, como nome completo, e-mail, CPF e número de telefone, além de concordar com os termos de privacidade e uso do site. Importante observar que a consulta informa se a pessoa está incluída na base de dados supostamente comprometida e se é elegível para receber uma indenização. No entanto, isso não implica um pagamento imediato, uma vez que o processo ainda não foi concluído. O objetivo principal do portal é informar às pessoas se têm direito a indenizações, permitindo que manifestem seu interesse no processo.

Pagamento não é garantido

A indenização não é garantida, visto que o Instituto Sigilo não é responsável pelos pagamentos. Caso a decisão de indenização seja mantida, cada beneficiário cujos dados foram expostos terá que buscar a execução da sentença ao final do processo, com a assistência de um advogado. O Instituto Sigilo não divulgou publicamente como obteve acesso à suposta base de dados vazados, embora afirme que as informações coincidem com as dos brasileiros cadastrados no site. Segundo o site, 471 mil pessoas têm direito à indenização.

Assistência legal

A organização planeja entrar em contato com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para cadastrar advogados em todo o país, a fim de fornecer assistência aos associados do instituto na busca das indenizações. Devido às várias opções de recursos legais disponíveis, o resultado da ação é incerto, e um pagamento representaria um precedente único no país.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes