'Pior dos 2 mundos': o que é estagflação, ameaça à Argentina de Milei

O novo presidente da Argentina, Javier Milei, disse em seu discurso de posse que o país precisará passar por um "choque", com corte dos gastos públicos. "Isto terá um impacto negativo no nível de atividade. (...) Haverá estagflação, é verdade, mas não é algo muito diferente do que aconteceu nos últimos 12 anos", afirmou.

O que é estagflação

A estagflação é um fenômeno descrito como "o pior de dois mundos". Ela é resultado da combinação de três fatores: inflação alta, estagnação ou recessão econômica e aumento do desemprego.

O termo foi criado em 1965 por Iain Macleod, membro do Partido Conservador britânico. À época, ele usou a combinação entre as palavras "estagnação" e "inflação" para descrever o momento econômico do Reino Unido.

A estagflação é um cenário raro porque combina fenômenos que, geralmente, acontecem em ciclos econômicos diferentes. Quando há expansão econômica e redução do desemprego, por exemplo, a tendência é que haja inflação, por causa do aumento dos salários e do poder de compra.

O fenômeno da estagflação gera desafios para governos e bancos centrais. Políticas para conter a inflação podem desacelerar o crescimento e gerar desemprego, enquanto medidas para incentivar a atividade podem causar aumento de preços.

Na década de 1970, a economia global atravessou seu pior período de estagflação. Uma das causas foi o aumento dos preços do petróleo, provocado pelo embargo da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo).

Qual é a proposta de Milei

Nos últimos 12 meses, a alta de preços foi de 142,7% na Argentina. A maior inflação da história do país foi registrada em 1989, quando o aumento chegou a 3.100%.

Segundo dados oficiais, 40,1% da população vivia na linha da pobreza no primeiro semestre de 2023. Isso significa que essas pessoas não têm dinheiro para arcar com itens básicos.

Continua após a publicidade

Para conter os preços, Milei quer fazer um ajuste fiscal e monetário. Ele prometeu demitir servidores públicos não concursados, cortar subsídios e cancelar obras.

O novo governo já anunciou a desvalorização do peso em 54%. A dolarização da economia —ou seja, a adoção do dólar como moeda corrente —é uma das propostas de Milei.

*Com informações da Deutsche Welle.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes