SP gera menos emprego em um ano, mas representa quase 30% das vagas do país

O estado de São Paulo criou 551 mil empregos com carteira assinada de janeiro a novembro de 2023. O número representa quase 30% de todas as vagas criadas no país. Apesar disso, o número de vagas criadas foi menor do que o mesmo período do ano passado, quando foram criadas 718 mil vagas. Os dados foram enviados pela Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados) do governo de São Paulo.

O que aconteceu

Houve menos vagas criadas no período em comparação a 2022 em São Paulo. O Seade diz que de janeiro a novembro de 2022 foram criadas 718.183 vagas. A queda do número de vagas criadas em 2023 se deve à pandemia, segundo o Seade, já que 2022 foi um ano em que houve a retomada de vagas que haviam sido fechadas durante a pandemia, o que caracteriza o período como um ano atípico.

O emprego teve um bom desempenho em 2023. Lucas Assis, economista e analista da Tendências Consultoria, afirma que o Brasil foi beneficiado pela melhora da economia global, pela definição fiscal e a definição da PEC de transição.

São Paulo tem grande parte dos empregos do país. Assis afirma que o estado lidera a geração de vagas pelo tamanho de sua estrutura produtiva e pela quantidade de serviços disponíveis. "Quando há estados que são especializados em poucos setores, ficam reféns do desempenho dos segmentos. São Paulo se beneficia da diversidade econômica", afirma Assis.

As vagas criadas em São Paulo correspondem a quase 30% de todos os postos formais criados no país. De janeiro a novembro de 2023, foram criadas 1.914.467 vagas de trabalho formal no Brasil, com criação de vagas em todos os estados.

Nosso governo está dando passos firmes para aumentar a geração de renda e de oportunidades. Estamos fazendo a diferença com ações e programas que apoiam todos os que querem empreender e investir em São Paulo.
Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo

Dados mais fracos, mas positivos

De janeiro a novembro de 2022, São Paulo gerou mais vagas. No período, foram geradas 718 mil vagas formais, enquanto em 2023 foram 551 mil. Apesar de o número de 2023 ser mais fraco comparado ao ano anterior, Assis afirma que os dados são positivos.

O Seade diz que o resultado de 2022 foi motivado pela retomada da economia nos pós-pandemia. De acordo com o governo do estado, 2022 foi o ano de plena recuperação das vagas perdidas na pandemia e, por isso, o resultado foi atípico. Assis concorda com a posição do Seade e afirma que houve recuperação tanto de vagas formais como informais em 2022.

Continua após a publicidade

O número de 2023 é positivo, apesar de ser menor do que o 2022. Apresentou uma tendência de desaceleração nessa criação de vagas com carteira, mas ainda é um cenário de resiliência e de um quadro favorável para o mercado de trabalho formal.
Lucas Assis, economista da Tendências Consultoria

Em novembro, houve crescimento de vagas no comércio e serviços, com destaque para as áreas de informação, comunicação e atividades financeiras e transporte, armazenagem e correio. No total, foram criados 23.517 empregos no comércio e 36.100 vagas em serviços, enquanto houve queda na agricultura (- 6.129) , indústria (- 3.655) e construção (- 2.560).

Expectativa para 2024

A expectativa para 2024 é de que haja criação de vagas formais, mas em ritmo mais lento. Assis diz que a geração de vagas deve ser menos do que a de 2022 e 2023. O segundo semestre deve ter um resultado mais positivo, impulsionado pela queda da taxa de juros, para Assis.

São Paulo deve ser beneficiado pelo crescimento da indústria de transformação, com uma esperada perda de fôlego do setor de serviços. "Os setores de produtos químicos, de refino de petróleo e biocombustíveis, de produtos alimentícios, setor de fabricação de veículos automotores, são segmentos importantes em São Paulo, e devem ser beneficiados especialmente na segunda metade de 2024", afirma Assis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes