Conteúdo publicado há 19 dias

IBM é processada por discriminar candidatos mineiros em processo seletivo

O Ministério Público do Trabalho entrou com uma ação na terça-feira (30) contra a empresa IBM, acusada de discriminar candidatos que fossem de Minas Gerais em processo seletivo.

O que aconteceu

A ação quer impedir a IBM de praticar ''atos de discriminação a trabalhadores em razão de origem''. Segundo o MPT, a empresa de tecnologia da informação apresentou restrições explícitas a candidatos que residissem em Minas Gerais em uma seleção em setembro de 2023.

No formulário de admissão, os candidatos precisaram confirmar que não residiam em MG. Ainda que fosse trabalhar em posição remota, a empresa disse que não contrataria mineiros por ''razões institucionais''.

A ação demanda o pagamento de multa entre R$ 50 mil a R$ 100 mil por obrigação descumprida. O valor deverá ser revertido para projetos, órgãos públicos ou entidades beneficentes. Além disso, pede a indenização por dano moral coletivo em R$ 20 milhões.

O MPT também solicita um esclarecimento público. A empresa precisará divulgar nas mídias, pelo menos quatro vezes, o compromisso de que não fará nenhum tipo de discriminação de trabalhador por motivo de residência ou origem.

A IBM não aceitou firmar acordo com o MPT anteriormente. A empresa chegou a ser chamada para um termo de ajustamento de conduta e acertar de forma espontânea suas diretrizes.

A empresa disse em nota que se defenderá das alegações. "A IBM continua contratando ativamente em todo o Brasil, inclusive em Minas Gerais".

Se a empresa pode fazer escolhas na admissão de pessoal, não pode, todavia, pautar essas escolhas em discriminações desarrazoadas e odiosas, como é o caso presente, em que o trabalhador, se residente no Estado de Minas Gerais, não poderia ser contratado. Max Emiliano da Silva Sena, procurador do Trabalho

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes