Empresa fatura R$ 65 milhões com spray contra mau cheiro do 'nº 2'

Foi dentro da Studio d'Essences, empresa de marketing olfativo, que os sócios Rafael Nasser, 33, e Renato Radomysler, 34, desenvolveram em 2015 o FreeCô, bloqueador de odores sanitários. O sucesso foi tanto que eles decidiram criar uma empresa só para o produto: a FreeCô. A empresa mudou de nome para FreeBrands, em 2020, quando outras versões e marcas foram lançadas.

Em 2023, a FreeBrands faturou R$ 65 milhões. O FreeCô continua como carro-chefe da empresa, liderando as vendas (65% do faturamento).

O FreeCô criou uma nova forma de usar o banheiro, evitando o constrangimento causado pelo mau cheiro do 'número dois'.
Rafael Nasser, CEO e cofundador da FreeBrands

O FreeCô bloqueia o mau cheiro do 'número dois' dentro do vaso sanitário. Os óleos essenciais naturais do produto criam uma barreira anti-odores na água do vaso sanitário, impedindo que o mau cheiro "escape" para o ambiente do banheiro. A forma de uso é bem fácil, mas fundamental para a eficiência do produto. É preciso borrifar cinco vezes o FreeCô na água do vaso antes de fazer o 'número dois'.

Mais de 6,5 milhões de produtos vendidos

Os produtos podem ser comprados no site da empresa e em mais de 30 mil pontos de venda, como mercados e farmácias e comércios eletrônicos. São frascos de 15 ml (R$ 11,90), 60 ml (R$ 19,90) e 120 ml (este terceiro chamado de FreeCô Premium; R$ 49,90). Em 2023, foram vendidas 6,5 milhões de unidades de todos os produtos da FreeBrands —aumento de 20% em relação às vendas de 2022.

O faturamento da empresa em 2023 foi de R$ 65 milhões. O lucro não foi divulgado.

A empresa desenvolveu um dispenser específico para quem sente vergonha de usar o banheiro do trabalho. É o FreeCô Pro em formato de dispenser para banheiros coletivos de empresas, estabelecimentos comerciais, entre outros.

Continua após a publicidade

FreeBrands tem outros três produtos. Kissu é um spray bucal portátil que elimina o mau hálito (R$ 14,90), Free Wipes, lenços antissépticos para higienização das mãos (R$ 7,90), e Beta, um hidratante labial em formato de esfera (R$ 19,90). Até o final de fevereiro, a empresa vai lançar a Vedika, uma linha de aromaterapia. Serão óleos essenciais e difusores de aroma (recipientes com líquidos e varetas).

Empresa já exporta para cinco países. Os produtos (FreeCô e Beta) são vendidos no Chile, Paraguai, Portugal, Inglaterra e EUA (neste, apenas o FreeCô). Em 2024, a meta é exportar para outros países da Europa e Oriente Médio, China e Índia. O objetivo é que a exportação represente 10% da receita total até o fim do ano. "Hoje, temos um produto de alta qualidade e com preço competitivo para conseguir oferecer em outros mercados, incluindo os EUA", diz.

O FreeCô deve ser borrifado na água do vaso sanitário para impedir a saída do mau cheiro
O FreeCô deve ser borrifado na água do vaso sanitário para impedir a saída do mau cheiro Imagem: Divulgação

Ideia surgiu de viagem aos EUA

Nasser e Radomysler são amigos da época de faculdade. Os dois cursaram administração de empresas na FGV (Fundação Getulio Vargas). Eles trabalhavam como analistas de investimento: Nasser, na Morgan Stanley, e Radomysler, na JPMorgan, dois grandes bancos americanos de investimentos.

Continua após a publicidade

Em 2013, eles decidiram empreender. Saíram dos bancos e entraram como sócios na Studio d'Essences, da família de Radomysler, em São Paulo. A Studio d'Essences produz fragrâncias únicas e exclusivas para outras empresas e marcas. Os dois continuam sócios da Studio d'Essences até hoje.

A ideia do bloqueador de odores surgiu em uma viagem ao exterior. Nos EUA, eles conheceram alguns bloqueadores de odores e trouxeram para o Brasil, para estudarem a possibilidade de negócio. O FreeCô foi desenvolvido na Studio d'Essences e levou cerca de um ano, envolvendo testes de fórmulas e pesquisas com potenciais consumidores e varejistas. A versão original do FreeCô, em frasco de 60 ml e com fragrância de capim-limão, foi lançada em 2015.

Como já tínhamos conhecimento e domínio do processo produtivo e nas vendas de produtos no segmento de perfumaria e fragrâncias, desenvolver o primeiro bloqueador de odores no Brasil foi a escolha ideal.
Rafael Nasser, CEO e cofundador da FreeBrands

Com o sucesso do produto, outras versões foram lançadas. Hoje, a linha FreeCô é composta por oito fragrâncias: capim-limão, lavanda, tutti-frutti, especiarias, maçã e canela, camomila, soft (talco) e secret (uma combinação de perfumes).

A linha FreeCô é o carro-chefe da FreeBrands
A linha FreeCô é o carro-chefe da FreeBrands Imagem: Divulgação

Adriane Galisteu na estratégia de divulgação

Ser educativo e usar tom leve são estratégias de divulgação até hoje. "É importante explicar sobre os problemas que o mau cheiro do 'número dois' causa e a forma correta de utilizar o produto. Para isso, adotamos o caminho de comunicar de forma leve e com um tom de humor, assim ficaria fácil mostrar que o assunto não é um 'bicho de sete cabeças'. É um problema que pode ser resolvido", afirma Nasser.

Continua após a publicidade

A campanha teve a apresentadora Adriane Galisteu. "Propositalmente, ela foi a escolhida, mostrando para o público que fazer o 'número 2' é normal. A participação dela foi fundamental para ajudar na quebra do tabu de falar sobre o assunto", afirma.

Ações nas redes sociais fizeram o produto viralizar. "O foco em mídias digitais foi importante também, em um momento que a internet vivia um crescimento exponencial, principalmente com redes sociais, conteúdos compartilháveis e virais. Foi natural o FreeCô ganhar alta viralização no mundo digital", diz Nasser

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes