Conteúdo publicado há 1 mês

Prefeitura de São Paulo decreta luto de 3 dias pela morte de Abilio Diniz

A Prefeitura de São Paulo decretou luto de três dias pela morte do empresário Abilio Diniz, aos 87 anos.

O que aconteceu

Decreto foi anunciado pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB). "Que sua trajetória continue a inspirar futuras gerações", disse ele, em publicação no X (o antigo Twitter).

Abilio Diniz estava internado no Albert Einstein

Ele foi "vítima de insuficiência respiratória em função de uma pneumonite", segundo a família. Abilio estava internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, com "quadro difícil", de acordo com pessoas próximas.

O empresário viajou em janeiro para Aspen, no Colorado (EUA). Ele fez a viagem enquanto se recuperava de duas cirurgias no joelho, mas se sentiu mal e voltou às pressas para o Brasil.

Velório aberto ao público

Diniz teve um velório aberto ao público nesta segunda-feira (19). A despedida foi realizada no Salão Nobre do Estádio MorumBis, do São Paulo Futebol Clube, o time do coração do empresário. O enterro será restrito à família, de acordo com comunicado da assessoria de imprensa dele.

Quem foi Abilio Diniz

Abilio Diniz foi dono do Grupo Pão de Açúcar, acionista do Carrefour e presidente do Conselho de Administração da BRF. Era um dos homens mais ricos do país, com fortuna avaliada em US$ 2,4 bilhões, segundo a Forbes.

Seu sucesso nos negócios tem origem na expansão do Pão de Açúcar. Abilio transformou a empresa fundada por seu pai em uma das maiores varejistas do país. O negócio começou como uma doceria em São Paulo e chegou a centenas de lojas. Tinha um estilo agressivo e ambicioso nos negócios, era amante dos esportes e, com mais de 80 anos, não se considerava idoso.

Continua após a publicidade

O empresário nasceu em 28 de dezembro de 1936. Era o mais velho dos seis filhos de Valentim e Floripes Diniz. Valentim Diniz era imigrante português e conheceu Floripes pouco depois de chegar ao Brasil.

O empresário Abilio Diniz ao lado do seu pai Valetim, em 1983
O empresário Abilio Diniz ao lado do seu pai Valetim, em 1983 Imagem: Helcio Toth/Folhapress

No final dos anos 1940, os pais de Abilio abriram a doceria Pão de Açucar, no bairro do Paraíso, em São Paulo. Abilio participou da rotina na doceria desde cedo. Ajudava na produção e na entrega dos doces. Também começou a praticar esportes ainda jovem.

Terminado o colégio, Abilio entrou em 1956 na recém-criada FGV (Fundação Getulio Vargas). Ele fez parte da segunda turma do curso de administração. Ao final do curso, Abilio planejava continuar os estudos nos Estados Unidos. Mas seu pai propôs que ele abrisse um supermercado, e ele aceitou. O primeiro supermercado Pão de Açúcar foi inaugurado em 1959. Essa primeira unidade ainda fica na rua Brigadeiro Luís Antônio, em São Paulo, ao lado do prédio que abriga a sede administrativa do grupo.

Abilio Diniz
Abilio Diniz Imagem: Bruno Santos/Folhapress

Negócios

Com um estilo ambicioso e agressivo, Abilio teve dois grandes conflitos empresariais. O primeiro foi com a própria família. Na década de 1980, o controle do Pão de Açúcar gerou uma disputa entre Abilio e seus irmãos. Na época, o grupo estava endividado. Então Valentim Diniz distribuiu parte das ações da companhia entre seus filhos. Abilio ficou com uma fatia maior, o que gerou desavenças. A disputa só se resolveu em 1994, com a assinatura de um acordo que garantiu o controle da companhia para Abilio.

Continua após a publicidade

Na década de 1990, o Pão de Açúcar quase foi à falência. A empresa fechou lojas, demitiu funcionários e trocou parte da diretoria, inclusive amigos da família. Passada a crise, a empresa abriu capital na Bolsa de Nova York em 1995. Alguns anos depois, em 1999, o grupo francês Casino comprou uma parte do Pão de Açúcar.

Alguns anos depois, Abilio entrou em nova disputa pelo controle da empresa. Mas desta vez ele perdeu. Em 2005, a empresa tomou um empréstimo com seu sócio Casino. Uma das condições do contrato era que o grupo francês assumiria o controle da holding controladora do Pão de Açúcar a partir de 2012. Um ano antes do prazo, Abilio tentou rever o contrato, sem sucesso. Passou então costurar uma fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour, concorrente do Casino na França.

A notícia gerou atritos entre Abilio e o presidente do Casino. O negócio com o Carrefour não deu certo e, em 2012, o Casino assumiu o controle do Pão de Açúcar. No ano seguinte, Abilio deixou a empresa fundada por seu pai, após 54 anos.

Após a saída do Pão de Açúcar, Abilio tornou-se acionista do Carrefour. Foi também presidente do conselho de administração da BRF, além de manter sua atuação na empresa de investimentos da família, a Península Participações.

Geyze, Abilio Diniz e seus filhos em foto de 2017
Geyze, Abilio Diniz e seus filhos em foto de 2017 Imagem: Mastrangelo Reino/Folhapress

Família, esportes e sequestro

Abilio teve seis filhos. Do primeiro casamento, com Auriluce, nasceram Ana Maria, João Paulo, Pedro Paulo e Adriana. Em 2004, ele se casou novamente, com a economista Geyze Marchesi. Os dois tiveram dois filhos: Rafaela e Miguel. Quando o caçula nasceu, Abilio tinha 72 anos. Em 2022, seu filho João Paulo morreu aos 58 anos, vítima de um infarto fulminante. "A dor que eu sinto é inexplicável", disse Abilio à época.

Continua após a publicidade

O empresário era apaixonado por esportes e praticou atividade física durante toda a vida. Foi tricampeão de motonáutica, em 1968, 1969 e 1970. No automobilismo, ganhou as Mil Milhas de Interlagos em 1970, em dupla com o irmão Alcides. Em 1994, correu sua primeira maratona, em Nova York.

O empresário Abilio Diniz antes de corrida, em 1989
O empresário Abilio Diniz antes de corrida, em 1989 Imagem: Homero Sergio/Folhapress

Em 1989, Abilio foi sequestrado e ficou seis dias em cativeiro. Ele ficou preso em uma caixa de madeira e precisava se esforçar para respirar. Os sequestradores pediram US$ 30 milhões pelo resgate. Eles se renderam após o cativeiro ser cercado pela polícia. O resgate não foi pago. Católico praticante, Abilio dizia que a experiência do sequestro reafirmou sua relação com Deus.

O empresário dizia que não era idoso e que precisava se considerar "eterno". Sua receita para uma vida produtiva incluia exercícios físicos diários, queimar mais calorias do que se consome, limitar os compromissos, explorar a psiquê, orar a Deus, e se manter apaixonado. Ele escreveu dois livros e mantinha um site sobre envelhecimento e qualidade de vida chamado Plenae. "Tenho que acreditar que sou eterno", disse em uma entrevista em 2014.

O empresário Abilio Diniz, do grupo Pão de Açúcar, é libertado do cativeiro pelos seus sequestradores, em 1989
O empresário Abilio Diniz, do grupo Pão de Açúcar, é libertado do cativeiro pelos seus sequestradores, em 1989 Imagem: Elena/Folhapress

* Com informações do Estadão Conteúdo

Deixe seu comentário

Só para assinantes