Com olho na rentabilidade, BB descarta cortar juro logo

Aluísio Alves

SÃO PAULO, 10 Nov (Reuters) - Para tentar reverter o longo ciclo de queda da rentabilidade, o Banco do Brasil vai concentrar esforços nos próximos trimestres no controle de custos administrativos e na redução das despesas com provisões para calotes. Corte de juro, por enquanto, nem pensar.

"Não estamos satisfeitos com a rentabilidade que temos hoje", disse nesta quinta-feira (10) o diretor financeiro e de relações com investidores do banco, Maurício Coelho, ao comentar os resultados do terceiro trimestre.

Como resultado da decisão de anos atrás de atender o pedido do governo federal, seu controlador, de ampliar a oferta de crédito na fracassada tentativa de reanimar a economia, o BB tem agora enfrentado perdas crescentes com calotes.

Como resultado, a rentabilidade sobre o patrimônio, que mede como os bancos remuneram o capital do acionista, foi de 9,6% no terceiro trimestre, queda de 4,6 pontos percentuais sobre mesma etapa do ano passado. Assim, o BB piorou pela segunda vez no ano a previsão de rentabilidade em 2016, de 9% a 12% para 8% a 10%. 

"Nossa meta é nos aproximarmos de índices de rentabilidade mais próximos aos de nosso rivais privados", disse Coelho, mas sem apontar quando isso poderá acontecer.

Para comparação, o índice do Bradesco no terceiro trimestre foi de 17,6%, enquanto o do Itaú Unibanco chegou a 19,9%. 

Em relatórios, analistas, na maioria, consideraram o balanço do terceiro trimestre do BB construtivo, uma vez que a despesa com provisão para calotes já caiu em relação ao trimestre anterior, o que ajudou o lucro a ficar acima da previsão média.

"Os números do trimestre sugerem que o pior em termos de provisões ficou para trás", escreveram os analistas Eduardo Nishio e Marcelo Atallah, do Brasil Plural.

Empréstimos

Simultaneamente, o BB teve maiores margens com crédito, mesmo num período de contração dos empréstimos, significando que repassou aos tomadores taxas de juros mais altas.

E os executivos sinalizaram que esse rumo não será revertido tão cedo, mesmo com o início do ciclo de corte da taxa básica de juros pelo Banco Central no mês passado.

"Além da queda da Selic, é preciso uma melhora da percepção de risco", disse Coelho a jornalistas durante apresentação dos resultados do BB referentes ao terceiro trimestre.
Em outubro, o BC cortou a Selic de 14,25% para 14% ao ano, primeira redução em quatro anos.

De acordo com Coelho, a demanda por crédito seguirá fraca no último trimestre deste ano e os níveis de inadimplência do banco só vão parar de subir ao longo de 2017.

A despeito da ênfase declarada dos executivos do banco na melhora da rentabilidade e de uma recepção majoritariamente positiva de analistas, os investidores não mostram a mesma leitura. Num dia bastante negativo da Bolsa paulista, às 17h28, a ação do BB caía 5,5%, mais que a queda de 2,4% do Ibovespa no mesmo horário.

(Com reportagem adicional de Paula Arend Laier, edição Alberto Alerigi Jr.)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos