Para Maia, governo não jogou a toalha na reforma da Previdência

Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (7) que não interpretou as declarações do presidente Michel Temer, na véspera, como um sinal de desistência do governo de aprovar a reforma da Previdência.

Admitiu, no entanto, que o tema é polêmico e não instiga otimismo, ainda mais após o desafio enfrentado pela base do governo para rejeitar a segunda denúncia contra Temer.

"Não interpretei desse jeito tão pessimista", disse Maia a jornalistas ao ser questionado sobre fala do presidente na segunda-feira em reunião com lideranças partidárias.

Na ocasião, Temer afirmou que se o Congresso não quiser aprovar a reforma da Previdência, "paciência", acrescentando em seguida que continuará trabalhando para realizá-la.

"Se em um dado momento a sociedade não quer a reforma da Previdência, a mídia não quer a reforma da Previdência e a combate e, naturalmente, o Parlamento que ecoa as vozes da sociedade também não quiser aprová-la, paciência. Eu continuarei a trabalhar por ela", disse o presidente na véspera.

Maia, no entanto, reconheceu as dificuldades e voltou a dizer que o presidente precisa ouvir lideranças e presidentes de partidos para reorganizar sua base.

"Esse nunca é um tema para a gente estar otimista. É sempre um tema muito polêmico porque sempre se vende a tese que a reforma da Previdência vem para tirar dos pobres e o que o projeto trata de forma fundamental é exatamente o contrário", argumentou o deputado.

"Acho que aqueles que votaram para o adiamento da investigação (contra Temer) para janeiro de 2019 tiveram uma atitude muito corajosa. Então não dá para a gente cobrar nada neste momento", avaliou.

Maia acrescentou que outros projetos que aguardam votação na Câmara podem ajudar no equilíbrio das contas públicas, mas defendeu a reforma como medida essencial para estabilizar o déficit da Previdência.

Eletrobras

O presidente da Câmara também aproveitou para elogiar a decisão do governo de enviar por meio de projeto de lei a modelagem da privatização da Eletrobras, e não por medida provisória.

Há algumas semanas, Maia bateu de frente com o governo e ameaçou devolver MPs que fossem encaminhadas ao Congresso que não se encaixarem nos pressupostos de relevância e urgência.

"Acho que é o caminho certo. Você não pode querer vender um ativo por meio de uma medida provisória", disse.

Qual o perfil dos aposentados atualmente?

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos