PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

EUA lançam investigação sobre importação de automóveis e China diz que vai defender seus interesses

24/05/2018 18h03

Por David Shepardson e Jeff Mason

WASHINGTON (Reuters) - O governo Trump lançou uma investigação de segurança nacional sobre as importações de carros e caminhões que pode levar à imposição de novas tarifas semelhantes às impostas pelos Estados Unidos em março nas importações de aço e alumínio.

A investigação sob a seção 232 da Lei de Expansão do Comércio de 1962 vai investigar se as importações de veículos e peças estão ameaçando a saúde e a capacidade da indústria de pesquisar e desenvolver novas tecnologias avançadas, disse o Departamento de Comércio na quarta-feira.

"Há evidências que sugerem que, por décadas, as importações do exterior corroeram nossa indústria automobilística doméstica", disse o secretário de Comércio Wilbur Ross em um comunicado, prometendo uma "investigação completa, justa e transparente".

As tarifas mais altas poderiam ser particularmente dolorosas para as montadoras asiáticas, incluindo a Toyota, a Nissan, a Honda e a Hyundai, que contam os Estados Unidos como um mercado-chave, e anúncio desencadeou uma ampla venda de ações das montadoras em toda a região.

Os governos do Japão, China e Coreia do Sul disseram que vão monitorar a situação, enquanto Pequim, que está cada vez mais de olho nos Estados Unidos como um mercado potencial para seus carros, acrescentou que defenderá seus interesses.

"A China se opõe ao abuso de cláusulas de segurança nacional, o que prejudicará seriamente os sistemas multilaterais de comércio e interromperá a ordem normal de comércio internacional", disse Gao Feng, porta-voz do Ministério do Comércio em uma entrevista coletiva nesta quinta-feira, que se concentrou em grande parte em se Pequim e Washington estão fazendo algum progresso em sua crescente disputa comercial.

"Vamos acompanhar de perto a situação sob investigação dos EUA e avaliar o possível impacto e defender resolutamente nossos próprios interesses legítimos", disse ele.

(Por David Shepardson e Jeff Mason)