ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Por trás da "fachada de otimismo", BCE se preocupa com custo da guerra comercial, dizem fontes

20/06/2018 09h55

Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa

SINTRA (Reuters) - Por trás da "fachada de otimismo", autoridades do Banco Central Europeu (BCE) estão cada vez mais preocupadas que uma guerra comercial possa atrapalhar a recuperação da zona do euro e dificultar sua saída do programa de estímulo de anos, disseram fontes do banco central à Reuters.

Houve uma estranha calma na reunião anual do BCE de membros e acadêmicos no fórum de referência do banco na cidade portuguesa de Sintra.

Poucos dias antes, o presidente do BCE, Mario Draghi, havia conseguido a grande façanha de anunciar o fim do programa de estímulo do BCE, de 2,6 trilhões de euros, mantendo o euro e o rendimento dos títulos sob controle.

No entanto, conversas com importantes membros e autoridades sugeriram que os temores crescentes de guerra comercial travada pelo governo norte-americano de Donald Trump contra seus principais parceiros comerciais estavam lançando uma sombra sobre a economia e a própria política do BCE.

"O protecionismo terá impacto maior do que o estimado agora", disse uma das fontes. "Reverter os estímulos do BCE também é um risco. Não acho que tenha sido totalmente valorizado e os mercados vão acordar um dia."

O BCE se recusou a comentar.

A extensão das compras de títulos em 2019 não foi uma opção realista, exceto um grande choque econômico.

Mas Draghi saiu do seu caminho na terça-feira para enfatizar que o BCE será "prudente" ao cronometrar seu primeiro aumento em oito anos no outono de 2019 (no hemisfério norte), e qualquer novo aumento será "gradual".

E algumas fontes já acreditavam que as novas previsões econômicas do BCE, reveladas recentemente, podem ser muito otimistas, já que os indicadores de atividade futura continuam sendo decepcionantes.

"Basta olhar para os principais indicadores: eles continuam surpreendendo no lado negativo", disse uma das fontes. "Há uma fachada de otimismo nas previsões."

O BCE já espera que a economia da zona do euro desacelere nos próximos três anos, crescendo 2,1 por cento neste ano, 1,9 por cento no próximo e 1,7 por cento em 2020.

Draghi enfatizou na semana passada que as previsões não levaram em conta "os efeitos das medidas comerciais que ainda não foram implementadas", provável referência às tarifas dos EUA sobre aço e alumínio que entraram em vigor após a data de corte das previsões.

"O risco de guerra comercial não pode ser quantificado e se os bancos centrais não puderem medir algo, preferem não falar sobre isso", acrescentou uma terceira fonte.

(Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa)

Mais Economia