PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

UE, Canadá e montadoras criticam plano de tarifas de Trump

19/07/2018 18h15

WASHINGTON (Reuters) - A administração Trump está recebendo muitas críticas de fabricantes de automóveis e governos estrangeiros por considerar a imposição de tarifas de até 25 por cento em carros e peças importadas, em meio a preocupações de que a medida aumentaria os preços dos veículos e prejudicaria as vendas e os empregos no setor.

O governo abriu uma investigação em maio sobre se os carros e peças importadas representavam um risco à segurança nacional dos Estados Unidos e realizou uma audiência sobre o inquérito nesta quinta-feira, coletando o testemunho de grupos comerciais do setor automobilístico, governos estrangeiros e outros.

O secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, disse na audiência que é "muito cedo" para dizer se o presidente Donald Trump imporia as tarifas, mesmo que muitas montadoras e membros do Congresso pensem que é uma conclusão precipitada.

Ele disse que a audiência visava determinar "se a ação do governo é necessária para garantir a viabilidade da produção doméstica dos EUA".

A embaixadora do Canadá nos EUA, Kirsten Hillman, disse durante a audiência que a imposição de tarifas sobre importações canadenses seria "devastadora" para o setor de automóveis norte-americano e que o Canadá responderia de "maneira proporcional" se as tarifas fossem impostas.

"O Canadá não poderia representar qualquer risco para a segurança nacional dos EUA", disse ela.

O embaixador da União Europeia, David O'Sullivan, disse que a sugestão de que as importações de veículos e partes dos "aliados mais próximos" dos EUA seriam um risco à segurança era "absurda" e que "falta legitimidade".

Um grupo representando grandes montadoras de carros disse ao Departamento de Comércio nesta quinta-feira que a imposição de tarifas de 25 por cento sobre carros e peças importados aumentaria o preço de veículos nos EUA em 83 bilhões de dólares anualmente e custaria centenas de milhares de empregos.

As tarifas também prejudicariam a pesquisa e o desenvolvimento de carros autônomos e veículos elétricos, acrescentou o grupo.

(Por David Shepardson)