PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Monsanto enfrenta 8 mil processos por agrotóxico nos EUA

Trator faz aplicação de agrotóxico na lavoura para combater pragas e doenças em Campo Mourão, região centro-oeste do Paraná - Dirceu Portugal /Fotoarena/Folhapress
Trator faz aplicação de agrotóxico na lavoura para combater pragas e doenças em Campo Mourão, região centro-oeste do Paraná Imagem: Dirceu Portugal /Fotoarena/Folhapress

Ludwig Burger

Da Reuters, em Frankfurt

23/08/2018 13h20

A Bayer informou que o número de ações judiciais nos Estados Unidos contra a recém-adquirida Monsanto subiu para cerca de 8 mil, depois que a Monsanto foi condenada a pagar indenização relacionada ao uso de um herbicida que contém glifosato.

A Bayer havia informado anteriormente sobre 5.200 casos semelhantes contra a Monsanto, que foi adquirida pela companhia alemã por 63 bilhões de dólares, em aquisição finalizada em junho.

"O número de casos tanto estaduais quanto federais era de aproximadamente 8 mil no final de julho. Esses números podem aumentar ou diminuir com o tempo, mas nossa opinião é que isso não é indicativo dos méritos dos casos", disse o presidente-executivo da Bayer, Werner Baumann, em teleconferência com analistas nesta quinta-feira.

Leia também

As ações da Bayer recuaram mais de 10 por cento desde que a Monsanto foi condenada, em 10 de agosto, a pagar 289 milhões de dólares em indenização, na primeira de possivelmente milhares de ações judiciais norte-americanas contra os herbicidas de glifosato, como o Roundup e o Ranger Pro.

Baumann reiterou que o veredito do júri era inconsistente com as conclusões científicas dos reguladores e acrescentou que a demanda por produtos à base de glifosato permanece forte.

Quando perguntado se a Bayer consideraria resolver casos fora do tribunal, ele disse: "Nós defenderemos vigorosamente este caso e todas as ações futuras".

Os resultados do segundo trimestre, previstos para serem apresentados em 5 de setembro, devem incluir custos com defesas judiciais, mas nenhum montante será separado para possíveis danos futuros, disse o vice-presidente financeiro, Wolfgang Nickl.