PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

ANTT dá aval para prorrogação de concessão da Malha Paulista da Rumo e ações disparam

31/08/2018 13h41

SÃO PAULO (Reuters) - A renovação antecipada do contrato de concessão ferroviária da Malha Paulista da Rumo foi aprovada na véspera pela Agencia Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), disse a companhia de logística nesta sexta-feira, em um passo fundamental para que a empresa mantenha até 2058 a concessão do importante corredor de transporte da produção agrícola brasileira.

A proposta de renovação antecipada da concessão, que expira em 2028, será encaminhada agora para o aval do Tribunal de Contas de União, informou a empresa de logística em fato relevante nesta sexta-feira. Somente após a anuência do TCU o contrato poderá ser assinado.

"Se o TCU não fizer objeções importantes, o processo pode ser aprovado em alguns meses", disseram os analistas do BTG Pactual em nota a clientes.

A notícia levou as ações da Rumo a subirem mais de 4 por cento na bolsa paulista, liderando os ganhos do Ibovespa. Às 13:38, as ações da Rumo subiam 5,1 por cento, a 14,04 reais.

A Malha Paulista é estratégica porque conecta o Mato Grosso, maior produtor de grãos do Brasil, ao Porto de Santos, uma das principais saídas de commodities agrícolas do país.

A Rumo é a maior operadora logística com base ferroviária independente da América Latina, com concessões nos Estados de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

INVESTIMENTO

O pedido de renovação da concessão, que foi apresentado à ANTT em setembro de 2015 e posteriormente alterado, prevê investimentos de 6 bilhões de reais para garantir o aumento da capacidade de transporte em 150 por cento até o fim de 2021, segundo uma fonte com conhecimento do assunto.

Atualmente, a Malha Paulista tem capacidade para transportar 30 milhões de toneladas de grãos por ano, e a expectativa é chegar a 75 milhões de toneladas em 2021.

Os investimentos previstos contemplam a duplicação de 110 quilômetros de ferrovia na região de Campinas, a expansão dos pátios ferroviários e a troca de dormentes de madeira por aço --medidas que devem permitir que as linhas recebam trens maiores, com mais vagões. A proposta de renovação também prevê a reativação das linhas no interior de São Paulo ligando Bauru-Tupã-Panorama e Pradópolis-Barretos-Colômbia.

(Por Raquel Stenzel, reportagem adicional de Paula Arend Laier)