ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Vietnã pede que Facebook abra escritório no país antes de controversa lei de segurança cibernética

14/09/2018 15h19

HANÓI (Reuters) - O Vietnã pediu ao Facebook que abra um escritório local, no momento em que o país comunista aumenta a pressão sobre as empresas globais de tecnologia para que cumpram a controversa lei de segurança cibernética.

Críticos da regulamentação, que entra em vigor em 1º de janeiro de 2019, dizem que Hanói terá mais poder para reprimir dissidentes porque exigirá que o Facebook, o Google e outras empresas globais de tecnologia armazenem no Vietnã dados pessoais dos usuários locais e abram escritórios no país.

"O ministro interino da Informação, Nguyen Manh Hung, sugeriu que o Facebook, dado seu sucesso empresarial no Vietnã, deveria reservar receita para investir em pesquisa e desenvolvimento e abrir em breve um escritório no Vietnã", informou o site oficial do governo na quinta-feira.

Uma porta-voz do Facebook disse que não fará comentários.

Apesar das amplas reformas econômicas e da crescente abertura à mudança social, o Partido Comunista que governa o país tolera pouca discordância e exerce forte controle sobre a mídia no Vietnã.

As multinacionais de tecnologia se posicionaram contra a armazenagem local de dados, mas não adotaram a mesma postura firme em relação a trechos da lei que reforçam a capacidade do governo de reprimir o ativismo político online.

Funcionários da empresa, no entanto, expressaram privadamente preocupações de que os centros de dados e escritórios locais poderiam tornar mais fácil para as autoridades apreender os dados dos clientes e expor os funcionários locais à ameaça de prisão.

Simon Milner, vice-presidente de políticas públicas para a Ásia-Pacífico do Facebook, se reuniu na quinta-feira com o primeiro-ministro do Vietnã, Nguyen Xuan Phuc, durante uma reunião do Fórum Econômico Mundial em Hanói.

Phuc disse que o Facebook deve ser responsável pela segurança e proteção das contas de seus 60 milhões de usuários no Vietnã, informou o site estatal.

(Por Mai Nguyen)

Mais Economia