ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Petrobras encerra caso com autoridades dos EUA e reconhecerá US$ 853,2 mi no 3º tri

José Roberto Gomes

27/09/2018 09h12Atualizada em 27/09/2018 12h23

SÃO PAULO, 27 Set (Reuters) - A Petrobras fechou acordo envolvendo US$ 853,2 milhões para encerramento de investigações nos Estados Unidos relacionadas a controles internos, registros contábeis e demonstrações financeiras da companhia durante o período de 2003 a 2012, como consequência dos casos de corrupção identificados pela operação Lava Jato.

O valor, equivalente em R$ 3,6 bilhões, incluindo tributos, será reconhecido pela companhia nas demonstrações financeiras do terceiro trimestre de 2018, o que deve impactar o balanço.

Leia também:

O acordo com as autoridades se segue a outro pacto com investidores nos EUA, que previu pagamento de cerca de US$ 3 bilhões, para encerrar a "class action" na Justiça movida por aqueles que se sentiram lesados por supostas perdas registradas após o escândalo de corrupção.

Em fato relevante nesta quinta-feira (27), a Petrobras disse que os acordos encerram completamente as investigações das autoridades norte-americanas. Pelos termos, a estatal pagará nos EUA US$ 85,3 milhões ao Departamento de Justiça (DOJ) e US$ 85,3 milhões à Securities and Exchange Commission (SEC).

Adicionalmente, os acordos reconhecem a destinação de US$ 682,6 milhões às autoridades brasileiras, a um fundo especial a ser utilizado conforme instrumento que será assinado com o Ministério Público Federal.

"Os acordos atendem aos melhores interesses da Petrobras e de seus acionistas e põem fim a incertezas, ônus e custos associados a potenciais litígios nos Estados Unidos", ressaltou a Petrobras, lembrando que já recuperou mais de R$ 2,5 bilhões a título de ressarcimento no Brasil em razão das apurações da operação Lava Jato, da Polícia Federal.

"Os acordos com o DOJ e a SEC reconhecem as evoluções no programa de conformidade, controles internos e procedimentos anticorrupção da Petrobras. A companhia concordou em continuar avaliando e aprimorando essas medidas", concluiu a petroleira.

Basta cavar para achar petróleo?

UOL Notícias

Mais Economia