IPCA
0.43 Fev.2019
Topo

Volume de serviços no Brasil tem queda inesperada em janeiro

2019-03-15T09:03:28

15/03/2019 09h03

BRASÍLIA, Mar 15 (Reuters) - O volume de serviços no Brasil registrou queda inesperada em janeiro, começando o ano sob pressão dos transportes e de serviços de informação, corroborando o quadro de recuperação lenta da economia.

Em janeiro o volume do setor apresentou recuo de 0,3% em relação a dezembro, segundo os números divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sobre o mesmo período do ano anterior, houve avanço de 2,1%, taxa mais elevada desde março de 2015 (2,3%). O setor de serviços inclui, por exemplo, salões de beleza, imobiliárias, oficinas mecânicas, escritórios de advocacia, agências de turismo, companhias aéreas e hotéis, entre outros.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de avanço de 0,2% na comparação mensal e de 1,9% na base anual.

Consumidor: Direitos que você tem e pode não saber

Band Notí­cias

O resultado fraco de serviços acompanha a indústria, cuja produção teve queda de 0,8% sobre o mês anterior, no resultado mais fraco em quatro meses. Por outro lado, as vendas varejistas tiveram alta acima do esperado no mês.

Os destaques no mês, segundo os dados do IBGE, foram as atividades de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio e de serviços de informação e comunicação, respectivamente com contrações de 0,6% e 0,2%.

Essas foram as únicas quedas registradas no mês, mas juntas as duas atividades representam 63% do volume total de serviços pesquisados.

"Boa parte da queda no setor de transporte deve-se ao baixo desempenho das atividades de transporte rodoviário, dutoviário e de carga", explicou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

"Já os serviços de informação e comunicação sofreram impacto da menor receita na atividade de desenvolvimento e licenciamento de programas de computador, que é normal em início de trimestre, completou.

As outras três atividades registraram ganhos em janeiro sobre o mês anterior: serviços profissionais, administrativos e complementares (1,7%), outros serviços (4,8%) e serviços prestados às famílias (1,1%), esta com a terceira alta seguida.

O setor de serviços brasileiro sofreu no ano passado com a lentidão da economia, mas ainda assim ajudou a economia a crescer 1,1%.

Dados do PIB mostram que o setor de serviços cresceu 0,2% no quarto trimestre de 2018 sobre os três meses anteriores, acumulando ao longo do ano expansão de 1,3%.

A persistência do cenário de inflação e juros baixos tende a estimular o consumo neste ano, bem como a esperada retomada do mercado de trabalho.

"Apesar das leituras fracas recentes, a perspectiva para o consumo privado de bens e serviços é moderadamente positiva", avaliou o diretor do Goldman Sachs Alberto Ramos.

"A capacidade ociosa ainda significativa no mercado de trabalho pode limitar o dinamismo do consumo privado e das vendas no varejo."

(Edição de Pedro Fonseca)

Serviço de táxi autônomo começa a operar nos EUA

Band Notí­cias

Mais Economia